Agora MT Notícias Supremo adia para junho julgamento sobre redes sociais
CONTEÚDOS ILEGAIS

Supremo adia para junho julgamento sobre redes sociais

Pedido foi solicitado pelos ministros Dias Toffoli e Luiz Fux

Supremo Tribunal Federal - Foto: Reprodução
Supremo Tribunal Federal – Foto: Reprodução

O Supremo Tribunal Federal (STF) adiou para junho, em data ainda a ser definida, o julgamento sobre a responsabilidade das redes sociais por conteúdos ilegais publicados em suas plataformas. O tema estava pautado para esta quarta-feira (17) no plenário, mas teve a análise adiada a pedido dos relatores, os ministros Dias Toffoli e Luiz Fux.

A caso havia sido pautado para julgamento em meio ao impasse no Congresso a respeito do chamado Projeto de Lei das Fake News, cuja votação foi adiada na Câmara após forte campanha de empresas de tecnologia contrárias ao projeto, que na véspera da análise pelos parlamentares disseminaram críticas ao PL.

Além das consequências políticas, plataformas como Google e Telegram são investigadas por suposto abuso de poder econômico no caso. Uma investigação foi aberta no Supremo, por ordem do ministro Alexandre de Moraes e a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR). O Conselho Administrativo Econômico (Cade), que fiscaliza o cumprimento de regras concorrenciais, também apura a conduta das empresas.

Ainda não há data para que o tema volte ao plenário da Câmara, diante da dúvida se o PL das Fake News conseguirá votos suficientes dos deputados para ser aprovado. No Supremo, a percepção dos ministros é que o caso deve ser tratado preferencialmente pela via legislativa, mas que o tribunal deverá agir para preencher eventual omissão do Congresso.

Para isso, o Supremo deverá julgar dois recursos com repercussão geral – cujo desfecho deverá servir de parâmetro para os demais casos semelhantes – que questionam o artigo 19 do Marco Civil da Internet. O dispositivo dispensa as plataformas de redes sociais de responsabilização caso não removam publicações de usuários que sejam flagrantemente ilícitas.

Desde os atos golpistas de 8 de janeiro, planejados e executados com auxílio de aplicativos de mensagens e redes sociais, diversos ministros do Supremo tem se posicionado publicamente em defesa da regulação dessas plataformas, de modo a conferir grau de responsabilidade às empresas que as administram se elas não agirem para impedir a disseminação de mensagens antidemocráticas.

O tema tem peso diferenciado para o Supremo, cuja sede foi a mais depredada pelos vândalos que invadiram as sedes dos Três Poderes no 8 de janeiro. A maioria dos ministros da Corte estão convencidos de que o episódio poderia ter sido evitado se o uso das redes sociais já tivesse sido melhor regulamentado no país.

Desde a eleição presidencial de 2022, ministros como Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes pressionam para que o Congresso aprove lei a respeito do assunto. Após o 8 de janeiro, ministros como Rosa Weber, Edson Fachin e Luiz Fux também passaram a se manifestar mais abertamente nesse sentido.

O julgamento sobre o Marco Civil da Internet foi tema de audiência pública no Supremo, em março, quando ministros da Corte e do governo se revezaram na defesa de uma maior regulamentação das redes sociais. Recentemente, a PGR também se manifestou, nos próprios recursos sobre o assunto, a favor de uma maior responsabilização das redes sociais que não removerem conteúdo ofensivo após alertadas.

A pressão por uma regulamentação maior das redes sociais aumentou ainda mais na esteira de ataques e ameaças a escolas brasileiras que foram anunciados e estimulados em plataformas como o Twitter.

As empresas se defendem afirmando que uma maior regulação deve desestimular investimentos para aprimorar as plataformas de redes sociais, bem como representa uma ameaça à liberdade de expressão.

Relacionadas

Soldado morre em serviço na guarda externa da residência oficial do vice-presidente

Um soldado do Exército Brasileiro morreu enquanto prestava serviço na residência oficial do vice-presidente da República, o Palácio do Jaburu. A ocorrência foi registrada...

Filho é preso pela PM após ameaçar agredir a mãe que não o deixava fumar narguilé dentro de casa

Um jovem de 23 anos foi preso pela Polícia Militar (PM) após ameaçar a própria mãe de 51 anos depois que ela pediu para...

Escândalo: Davi usa dinheiro de doações para pagar viagem ao RS

Uma atitude duvidosa por parte do campeão do reality BBB da edição de 2024 foi revelada por ele mesmo. Davi Brito acumulou um prêmio...

Gefron apreende 86 quilos de drogas e causa prejuízo em mais R$ 450 mil ao tráfico

Uma ação policial resultou na apreensão de 65 kg de substância análoga a maconha, 19 kg de substância análoga a pasta base de cocaína...

Menino de 12 anos é atropelado após sair de casa escondido para andar de bicicleta

Um menino de 12 anos ficou ferido após ser atropelado por uma moto ao tentar atravessar a MT-480, na noite desta terça-feira (28), em...

Homem que tentou matar a irmã com faca de cozinha é condenado a 11 anos de prisão

O Tribunal do Júri de Rondonópolis condenou o réu Pablo Carvalho, na terça-feira (28), pelo homicídio tentado qualificado da irmã dele. A pena fixada...

Plenário multa em R$ 30 mil parlamentares por propaganda eleitoral negativa contra Lula

O Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aplicou multa de R$ 30 mil aos deputados federais Carla Zambelli (PL-SP) e Gustavo Gayer (PL-GO) e...

Mais de 3,1 mil vagas de emprego são disponibilizadas em MT nesta semana

O Sistema Nacional de Emprego de Mato Grosso (Sine-MT), vinculado à Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc-MT), disponibiliza nesta semana 3.178...

PF realiza operação para esclarecer real identidade de mulher acusada de apropriar-se da identidade de outra

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira, (24/5), em Rondonópolis-MT, a Operação Em Busca da Verdade, com o objetivo de esclarecer a real identidade de...

Especiais

Últimas

Editoriais

Siga-nos

Mais Lidas