Agora MT Destaques Ex-prefeito de Rondonópolis é condenado por ato de improbidade administrativa
AÇÃO CIVIL PÚBLICA

Ex-prefeito de Rondonópolis é condenado por ato de improbidade administrativa

A sentença estabelece ao réu a efetivação do ressarcimento integral do dano ao erário no montante de R$ 2,3 milhões

Fonte: Assessoria

Imagem: prefeitura rondonopolis sede Ex-prefeito de Rondonópolis é condenado por ato de improbidade administrativa
Prefeitura de Rondonópolis – Foto: Vandréia de Paula/AGORA MT

A Justiça julgou parcialmente procedente ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso e condenou o ex-prefeito de Rondonópolis, Percival Santos Muniz, por ato de improbidade administrativa. A sentença estabelece ao réu a efetivação do ressarcimento integral do dano ao erário no montante de R$ 2,3 milhões. Além disso, suspende os seus direitos políticos por cinco anos e proíbe a contratação com o Poder Público e o recebimento de benefícios fiscais e creditícios por cinco anos.

A ação do MPMT foi proposta em dezembro de 2021 e julgada no dia 02 de junho deste ano, após a devida instrução processual. Na ação, a 2ª Promotoria de Justiça Cível de Rondonópolis apresenta irregularidades em um contrato firmado pelo ex-prefeito, enquanto gestor do Município, e a Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), tendo como interveniente a Fundação de Apoio ao Ensino Superior Público Estadual (FAESPE), então administrada por Marcelo Geraldo Coutinho Horn.

O convênio, segundo o MPMT, foi firmado mediante dispensa de licitação, no valor inicial de R$ 4,5 milhões, devidamente aprovado pela Lei Municipal nº 8.713/2015. Posteriormente, o valor foi alterado para R$ 12 milhões, depois para R$ 16 milhões e, por último, para R$ 24,5 milhões. Todas as alterações foram previstas em lei. Na prática, a fundação realizaria estudos, pesquisas e produção de informações para supostamente garantir uma melhor efetividade das políticas públicas do Município de Rondonópolis.

“Todavia, o que se observa nos autos, com as genéricas e tabuladas prestações de contas apenas parciais efetuadas durante o prazo do convênio (e não realizada a prestação de contas final do Convênio, como era obrigatório), é que o mesmo produziu tão somente um arrazoado padronizado, cheio de expressões e chavões genéricos e não objetivos, e sem qualquer proveito prático à Municipalidade e sobretudo ao povo rondonopolitano”, diz a ação. O MPMT questionou ainda a efetivação de contratação de mais de mil servidores temporários, sem concurso público, nos meses finais do convênio.

Além do ex-prefeito, o MPMT requereu a condenação da FAESP e de seu então diretor-geral. No julgamento do processo, o magistrado entendeu que a conduta da Fundação não acarretou dano ao erário e que, portanto, a requerida não cometeu ato de improbidade administrativa. “Diante do não reconhecimento de conduta ímproba praticada pela pessoa jurídica, não há que se falar em condenação do diretor, ora requerido Marcelo Geraldo Coutinho Horn”, afirmou o magistrado Francisco Rogério Barros.

O juiz entendeu ainda que o prejuízo ao erário correspondeu somente ao valor pago a título da taxa de administração (10% do valor total pago – R$ 23.589.337,72). “Como vimos, referido gasto foi indevido e totalmente desnecessário, pois poderia ter sido evitado com a realização de concurso público para a regular admissão de pessoal necessário para o desempenho das funções administrativas, e a contratação da empresa de assessoria especializada (para dar efetividade às políticas públicas) poderia ser feita por meio de licitação”, diz a sentença.

Relacionadas

Escolas que disputam Olimpíada de Matemática se saem melhor no Enem

Os alunos de escolas com altas taxas de participação na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep) têm obtido melhores resultados no Exame...

Faccionados envolvidos em assassinato brutal são presos com drogas

Dois jovens faccionados, 18 e 19 anos, foram presos nesta segunda-feira (27) pela Polícia Militar no bairro Buritis 1, em Tangará da Serra-MT. Eles...

Enchentes no Rio Grande do Sul causam mais mortes do que todas as chuvas de 2023 no Brasil

O número de mortos pelas enchentes no Rio Grande do Sul é 22,7% maior que os óbitos do mesmo tipo registrados em todo o...

Polícia Militar prende homem por tentativa de feminicídio contra ex-namorada

Um homem de 32 anos foi preso em flagrante, nesta quinta-feira (23), suspeito de ameaça e tentativa de feminicídio contra uma mulher, de 50...

Cerrado ultrapassa Amazônia como bioma mais desmatado do Brasil em 2023

Em 2023, o desmatamento no Cerrado brasileiro aumentou consideravelmente, superando pela primeira vez o índice de devastação na Amazônia e tornando-se o bioma mais...

20ª edição do Encontro Nacional de Violeiros de Poxoréu ocorre neste fim de semana

Neste final de semana (30/05 e 01/06), o público de Poxoréu e região participam do maior evento da viola caipira, que é tradição entre...

Ministério da Saúde lança Política Nacional de Cuidados Paliativos no SUS

O Ministério da Saúde lançou nesta quinta-feira (23) a PNCP (Política Nacional de Cuidados Paliativos) para pacientes e familiares do SUS (Sistema Único de...

Categoria docente da UFR deflagra greve a partir do dia 03 de junho

A categoria docente da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR) decidiu, na tarde desta quinta-feira (23), pela adesão à greve nacional da educação a partir...

Comissão debate lei que prevê a renegociação da dívida do FIES

A Comissão de Educação da Câmara dos Deputados promove, nesta terça-feira (28), audiência pública sobre possibilidade de a renegociação da dívida do Fundo de...

Especiais

Últimas

Editoriais

Siga-nos

Mais Lidas