Agora MT Brasil Enchentes no Rio Grande do Sul causam mais mortes do que todas...
DADOS DEFESA CIVIL

Enchentes no Rio Grande do Sul causam mais mortes do que todas as chuvas de 2023 no Brasil

162 pessoas morreram nas inundações das cidades gaúchos neste ano contra 132 em eventos semelhantes no país no ano passado

Fonte: R7

Imagem: cats 55 Enchentes no Rio Grande do Sul causam mais mortes do que todas as chuvas de 2023 no Brasil
Enchentes afetaram 467 municípios gaúchos
(RAFA NEDDERMEYER/AGÊNCIA BRASIL)

O número de mortos pelas enchentes no Rio Grande do Sul é 22,7% maior que os óbitos do mesmo tipo registrados em todo o Brasil ao longo de 2023. Segundo a Defesa Civil estadual, 162 pessoas morreram até esta quarta-feira (22) nos 467 municípios afetados. Enquanto isso, dados do Sistema Integrado de Informações sobre desastres (S2ID) apontam que 132 óbitos estiveram associados a eventos relacionados às chuvas em todo o país no ano passado.

Os dados foram divulgados pelo Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais) durante a reunião de avaliação e previsão de impactos de eventos extremos, realizada em janeiro de 2024.

A diferença no número de óbitos pode ser ainda maior, já que o RS ainda conta com 75 desaparecidos. A dimensão da tragédia também é percebida pela comparação entre o número de desalojados: 581,6 mil no Rio Grande do Sul, de abril até agora, contra 524,8 mil em todo o país nos 12 meses de 2023. São mais de 2,3 milhões de pessoas afetadas em um estado cuja população é de 10,8 milhões, o que indica que mais de 20% dos gaúchos foram diretamente atingidos pelas chuvas. Há ainda 68 mil pessoas em abrigos.

Previsão de mais chuvas e frio
O Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) prevê que chuvas retornem com força ao Rio Grande do Sul até esta sexta-feira (24). Desta vez, o volume pode superar os 100mm em algumas áreas, mais que o esperado para o período. Alguns locais do estado também devem enfrentar problemas com rajadas de vento acima de 80 km/h e queda de granizo, tudo isso causado pelo deslocamento de uma frente fria na região.

As novas precipitações podem afetar o nível do Guaíba, cujo volume ficou abaixo de 4 metros pela primeira vez nesta quarta desde o dia 3 de maio, um período de quase 20 dias. Vale lembrar que o Guaíba atingiu dois picos de cheia neste ano: 5,31 metros em 5 de maio e 5,23 metros no último dia 14. Antes disso, o recorde histórico era da enchente de 1941: 4,76 metros. A chamada “cota de inundação”, margem máxima considerada segura pelas autoridades, é de 3 metros.

Eventos climáticos extremos
O Brasil registrou o maior número de desastres naturais em 2023, de acordo com dados do Cemaden. No total, foram contabilizados 1.161 eventos de desastres, dos quais 716 estavam associados a eventos hidrológicos, como transbordamento de rios, e 445 a eventos geológicos, como deslizamentos de terra. Em média, houve pelo menos três desastres por dia, superando os registros de 2022 e 2020.

Economicamente, o país gastou R$ 25 bilhões, incluindo áreas públicas e privadas, além de mais de R$ 5 bilhões em obras de infraestrutura, instalações públicas e unidades habitacionais.

Em termos de alertas, o Cemaden emitiu um total de 3.425 alertas para os municípios monitorados ao longo do ano, sendo 1.813 hidrológicos e 1.612 geohidrológicos. Este foi o terceiro maior número de alertas emitidos desde a criação do Centro, em 2011. Petrópolis (RJ) liderou o ranking de municípios, com 61 alertas, seguido por São Paulo, com 56, e Manaus, com 49.

Governo investe R$ 9,5 bi, mas perdas chegam a R$ 639 bi
Os desastres naturais que aconteceram no Brasil entre 2013 e 2023 causaram prejuízos de R$ 639,4 bilhões às cidades brasileiras, segundo o presidente da CNM (Confederação Nacional dos Municípios), Paulo Ziulkoski. No entanto, nesse período o governo federal direcionou R$ 9,5 bilhões para a preveni-los, o equivalente a 1,49%, de acordo com dados da CNM em colaboração com a organização não governamental Contas Abertas.

Em nota, o governo afirmou que “as iniciativas cruciais para prevenir desastres e preservar vidas foram descontinuadas entre 2019 e 2022″ e, no atual governo, “a prevenção a desastres naturais voltou a ser prioridade”. “Para tanto, foi criado o PAC Prevenção a Desastres, com investimentos previstos de R$ 11,7 bilhões.”

Relacionadas

Polícia Civil autua motorista que causou morte de professor por homicídio doloso

O motorista responsável pelo atropelamento que resultou na morte do professor Leandro Ribeiro Padilha, de 31 anos, ocorrido na madrugada de domingo (09), em...

Facção criminosa responsável por lavagem de dinheiro em casas de shows é desarticulada em Mato Grosso

A Força Integrada de Combate ao Crime Organizado de Mato Grosso (FICCO/MT), com o apoio do CIOPAER e do GAECO/MPMT, deflagrou nesta quarta-feira (05)...

Vereadores de Palmares do Sul são investigados por desvio de doações ao Rio Grande do Sul

Três vereadores e um secretário municipal de Palmares do Sul, no Rio Grande do Sul, no litoral norte do estado, são suspeitos de desviar...

Marina Silva anuncia pacto para prevenir e controlar incêndios no Pantanal e na Amazônia

O governo federal anunciou nesta quarta-feira (5), data em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, uma série de medidas voltadas à...

Seduc abre processo seletivo para contratação temporária de militares da reserva

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT) abriu, na sexta-feira (07), as inscrições para o processo seletivo simplificado destinado à formação do cadastro de...

Inscrições para o Enem 2024 terminam nesta sexta-feira

Terminam nesta sexta-feira (7), às 23h59 (horário de Brasília), as inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2024. Para os moradores do...

STF suspende novamente julgamento do recurso de Fernando Collor contra condenação

O STF (Supremo Tribunal Federal) suspendeu novamente o julgamento de um recurso apresentado pelo ex-presidente da República Fernando Collor de Mello contra decisão que...

Brasil registra 50 mil casos a mais de violência contra idosos em 2023

As ocorrências de agressões contra idosos tiveram aumento de quase 50 mil casos em 2023 na comparação com o ano anterior. De 2020 a...

Quatro criminosos morrem em troca de tiros com a Força Tática; policiais resgataram trabalhadores

Quatro homens morreram durante confronto com a Força Tática, na noite desta segunda-feira (10), no bairro Jardim Tarumã, em Tangará da Serra-MT. Cinco suspeitos...

Especiais

Últimas

Editoriais

Siga-nos

Mais Lidas