Agora MT Brasil Câmara dos Deputados aprova urgência de projeto que equipara aborto a homicídio
VOTAÇÃO RELÂMPAGO

Câmara dos Deputados aprova urgência de projeto que equipara aborto a homicídio

Medida foi aprovada de maneira simbólica e apenas PSOL e PCdoB se manifestaram contra

Fonte: R7

Imagem: CAMARA Câmara dos Deputados aprova urgência de projeto que equipara aborto a homicídio
Câmara aprova urgência de projeto – Foto: MÁRIO AGRA/CÂMARA DOS DEPUTADOS

Em uma votação relâmpago e sem debate, a Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (12) a urgência do projeto que torna a punição para algumas situações de aborto similar à pena de homicídios. O projeto ainda não tem data para ser votado no plenário.

Nenhum deputado contestou a condução incomum por parte de Lira durante a votação. O presidente da Câmara mencionou um acordo feito com as bancadas, sem detalhar do que se tratava, e declarou a matéria aprovada em apenas 23 segundos de maneira simbólica. “Em votação pelo acordo feito”, falou Lira.

O requerimento aprovado acelera a tramitação da iniciativa e faz com que ela possa ser pautada diretamente em plenário, sem precisar passar por comissões. O projeto é de autoria do deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), que já liderou a bancada evangélica.

A deputada Sâmia Bomfim (Psol-SP) criticou a aprovação que, segundo ela, criminaliza crianças e adolescentes vítimas de estupro. Ela afirmou que mais de 60% das vítimas de violência sexual têm menos de 14 anos. “Criança não é mãe, e estuprador não é pai”, disse.

Atualmente, o aborto é permitido no Brasil em três situações: quando a mulher corre risco de morte e não há outra alternativa para salvá-la, em casos de fetos com anencefalia (ausência de cérebro ou de parte dele), e em casos de estupro. Mesmo com essas previsões legais, é comum que as pessoas que recorrem ao direito enfrentem dificuldades para acessá-lo.

Segundo o Código Penal, não há punição para quem realiza o aborto quando a gravidez é resultante de violência sexual, e o procedimento pode ser feito sem restrição de tempo. Também não são punidos os casos em que o aborto é a única forma de salvar a vida da gestante.

Fora dessas situações, a legislação vigente prevê penas tanto para as gestantes quanto para os médicos ou outras pessoas que realizam o aborto. Para as gestantes, o Código Penal prevê detenção de um a três anos. Para terceiros, a pena é de um a quatro anos se o aborto for realizado com o consentimento da gestante, e de três a 10 anos se o aborto for realizado sem o consentimento.

O novo texto proposto sugere que o aborto legal seja criminalizado acima de 22 semanas em todos os casos previstos, com pena equivalente à de homicídio simples, de seis a 20 anos de reclusão, inclusive nos casos de estupro. Atualmente, a pena média para estupradores é de seis a 10 anos.

O projeto foi apresentado pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), e é apoiado por outros 31 deputados, majoritariamente homens do PL. Segundo eles, o fato de a lei não prever “limites gestacionais ao aborto” não significa que os legisladores do Código Penal quisessem “estender a prática até o nono mês de gestação”.

O requerimento de urgência para a votação do projeto de lei foi protocolado algumas semanas após o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspender uma medida do Conselho Federal de Medicina (CFM) que dificultava o acesso ao aborto legal após 22 semanas para vítimas de estupro. A resolução do CFM proibia a técnica de assistolia fetal, recomendada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em casos de gestação superior a 22 semanas, frequentemente utilizada em casos de estupro onde a vítima, muitas vezes crianças, descobre a gravidez muito tempo após a violência sexual.

Paralelamente, o ministro Nunes Marques pediu destaque no julgamento do STF sobre a resolução do CFM, o que significa que a votação — que estava 1 a 1 no plenário virtual — será transferida para o plenário presencial da Corte, ainda sem data definida. Uma vez que todos os magistrados terão que votar novamente, o placar do julgamento será zerado. Os ministros Alexandre de Moraes (relator) e André Mendonça, que já tinham votado, terão que se manifestar novamente.

O pedido de destaque tende a atrasar o desfecho do processo, e a expectativa é de que o julgamento fique para o próximo semestre, devido à proximidade do recesso do Judiciário. Enquanto isso, permanece válida a decisão individual de Alexandre de Moraes, que suspendeu os efeitos da resolução do CFM.

Relacionadas

“Figurinha carimbada” é preso após invadir loja, ameaçar proprietário e mostrar órgão genital para funcionárias e clientes

Um homem de 37 anos foi preso pelo Grupo de Apoio (GAP) da Polícia Militar (PM), pelo crime de importunação sexual, nesta terça-feira (16),...

Após execução, criminosos morrem em confronto com a Força Tática em Mato Grosso

Dois criminosos morreram em um confronto com policiais militares da Força Tática, na tarde desta terça-feira (16), no município de Ribeirãozinho-MT. Conforme a Polícia...

Homem é preso suspeito de mostrar órgão genital para moradores do bairro Santo Antônio

Um homem foi preso pela Polícia Militar (PM), suspeito de mostrar o órgão genital para moradores, na rua Bartira, no bairro Santo Antônio, na...

Motorista que morreu esmagado teve ossos da cabeça quebrados e era de Tangará da Serra

O motorista de carreta Renan de Souza Vieira, 28 anos, que morreu após ser esmagado por um caminhão de concreto, após uma discussão, na...

Motociclista cai de moto e morre no Cidade de Deus

Um homem identificado como João Eurípedes Ribeiro, de 62 anos, morreu após cair da moto, na manhã desta terça-feira (16), na rua K, no...

Três integrantes de organização criminosa morrem e policial militar fica ferido durante confronto

Três criminosos, ainda não identificados, morreram em um confronto com policiais militares, na noite da última sexta-feira (12), em Sorriso-MT. Durante a abordagem, três...

Condutor que matou motorista de aplicativo passou quase 5 horas em balada antes da batida

O motorista do veículo que entrou na contramão, atingiu e matou um motorista de aplicativo de 41 anos em Guarulhos (SP), na madrugada do...

Novo leilão da Receita Federal tem iPhone por R$ 840 e até carro por R$ 500

A Receita Federal vai fazer um novo leilão de mercadorias apreendidas ou abandonadas, no dia 30 de julho, em São Paulo. Smartphones, notebooks, videogame, roupas de...

Governo do DF sanciona lei que permite prescrição de medicamentos por enfermeiros

O governo do Distrito Federal sancionou nesta quarta-feira (17) a lei que permite que enfermeiros prescrevam medicamentos. A medida foi publicada no Diário Oficial...

Especiais

Últimas

Editoriais

Siga-nos

Mais Lidas