Agora MT Economia Em quase três décadas, oito países da OCDE abandonaram a taxação de...
IMPOSTOS DOS SUPER-RICOS

Em quase três décadas, oito países da OCDE abandonaram a taxação de grandes fortunas

Segundo levantamento feito por ONG independente, o imposto sobre riqueza dos super-ricos poderia gerar US$ 1,8 trilhão por ano

Fonte: R7

Imagem: impostos
Impostos-Foto: Reprodução

Em meio à discussão da tributação mínima global para grandes fortunas, o número de países membros da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) que impõem a taxação caiu de 12 para 4 em 28 anos, segundo dados da própria organização que consideram o período entre 1990 e 2017. O índice, que representa uma queda de 66% na adesão do imposto, simboliza 10% do total de países que compõem a entidade, atualmente com 38 nações. A OCDE é uma organização voltada à promoção de padrões internacionais em questões econômicas, financeiras, comerciais, sociais e ambientais.

Apesar de a pesquisa considerar o período até 2017, o número de países que determinam a taxação continua o mesmo, entre eles Colômbia, Espanha, Noruega e Suíça. Na Europa, também existem nações que taxam apenas ativos selecionados de riquezas, como Bélgica, França e Itália.

Segundo um levantamento feito pela ONG independente Oxfam International, um imposto sobre a riqueza dos milionários e bilionários do mundo poderia gerar US$ 1,8 trilhão por ano. Geralmente, essa taxação, incluída nos impostos sobre propriedade, recai sobre o patrimônio total líquido do contribuinte.

A tributação de grandes fortunas, um dos temas prioritários dos assuntos financeiros do G20, vem sendo defendida pelo Brasil sob a justificativa de políticas fiscais mais justas e redução da desigualdade. No início do mês, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, voltou a defender a taxação global e ganhou apoio de países como Estados Unidos e França.

Queda nos impostos dos super-ricos
Para o economista Riezo Almeida, a queda no número de países que impõem a taxação em grandes fortunas pode ser explicada pelo risco de evasão fiscal e redução na circulação de dinheiro e investimentos no país. O especialista explica que com a determinação desse imposto, esse público pode procurar outros países para realizar os investimentos que ofereçam melhores oportunidades.

Em complemento, o advogado tributarista Leonardo Roesler apontou que a tributação varia conforme o país e consequentemente na receita tributária, pois dependem de fatores como estrutura tributária, as alíquotas aplicadas, e a eficiência da administração fiscal. A complexidade e custo para administrar as grandes fortunas também podem estar entre os fatores que levaram algumas nações a abandonar a tributação.
“Com a mobilidade de capital e a globalização financeira, tornou-se mais fácil para indivíduos ricos moverem seus patrimônios para jurisdições com tributação mais favorável. Esse movimento prejudica a base tributária do país que impõe o imposto e pode ter um efeito adverso no investimento e na atividade econômica local”, disse Roesler.

O economista Riezo Almeida comentou, ainda, que para evitar possíveis riscos de evasão fiscal e fuga de capitais, uma taxação global seria ideal. Entretanto, no ponto de vista político, é pouco provável que todos os países concordem com a taxação.
“Quando você aumenta muito a carga tributaria do país, essa receita acaba saindo, a própria fortuna da pessoa não fica no país”, completou o economista Alessandro Azzoni.

Brasil
Em dezembro de 2023, o presidente Luiz Inacio Lula da Silva sancionou o projeto que cria a taxação de investimentos de pessoas físicas no exterior por meio dos fundos offshore e de investimento exclusivos.

O imposto, que vale sobre os que investem fora do país e em paraísos fiscais, inclui também fundos exclusivos, usados por pessoas com rendas muito altas.

A tributação prevê que os super-ricos paguem o chamado “come-cotas”, ou seja, um recolhimento periódico do Imposto de Renda a partir de 2024 de 15% sobre o rendimento para fundos de longo prazo, sendo 20% no caso dos investimentos de até 1 ano.

É estimado que quase 3 mil brasileiros investem em fundos exclusivos, somando R$ 756 bilhões em patrimônio. Eles respondem, sozinhos, por 12,3% da indústria de fundos do país.

A taxação no exterior
Segundo o advogado tributarista Leonardo Roesler, a OCDE destaca que a taxação dos super-ricos pode ser uma ferramenta útil para aumentar a arrecadação e reduzir desigualdades, mas enfatiza que “esses impostos devem ser desenhados com cuidado para evitar efeitos adversos sobre a economia”.

A organização aponta, ainda, um possível desencorajamento em investimentos e inovações, à medida que reduz os retornos líquidos dos empreendedores e investidores.

Na Noruega, por exemplo, é cobrado um imposto sobre a riqueza liquida de 0,95% sobre os ativos de indivíduos que ultrapassam 1,7 milhão de coroas norueguesas – equivalente a 151 mil euros na cotação atual, sendo 0,7% destinado aos municípios e 0,25% ao governo central, segundo o Tax Foundation.

Já na Espanha, o imposto progressivo varia entre 0,2% e 3,75% sobre os ativos de riqueza acima de 700 mil euros, com taxas que variam substancialmente entre as regiões autônomas do país.

Relacionadas

Fiscalização prende 41 motoristas embriagados e remove 168 veículos durante Operações Lei Seca

Três edições da Operação Lei Seca, realizadas entre sexta-feira e domingo (12 e 14.07), resultaram na prisão de 41 motoristas embriagados e na remoção...

Gustavo Tubarão diz que ele e amigo negro foram confundidos com ladrões por motorista

O influenciador digital Gustavo Tubarão denunciou que foi confundido com um assaltante por uma taxista, durante uma corrida realizada a caminho do Aeroporto Internacional...

Mercado aumenta previsão da inflação de 4% para 4,05% em 2024

A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – considerado a inflação oficial do país – teve...

Flávio Bolsonaro pede a eleitores apoio ao pai em ‘momento de perseguição’

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) usou as redes sociais nesta sexta-feira (19) para pedir que eleitores compareçam nas agendas do pai para dar “apoio...

Prova do Revalida para médicos ocorre neste final de semana

As provas da 2ª etapa do Revalida de 2024 ocorrem neste sábado (20) e domingo (21). O acesso aos locais de prova do Exame...

Justiça condena empresa a pagar R$ 10 mil por adiar show de Taylor Swift minutos antes

O 4º Juizado Especial Cível de Brasília condenou a T4F Entretenimento S/A, responsável por organizar os shows da Taylor Swift no país, a indenizar...

Sindicato Rural de Rondonópolis promove a escolha da Garota Exposul e faz o lançamento oficial da feira

Na noite desta quinta-feira (18), o Sindicato dos Produtores Rurais de Rondonópolis realizou a escolha da Garota Exposul da 50ª edição, e lançou a...

Polícia Civil prende dupla responsável por assassinato de adolescente

Um adulto foi preso e um adolescente apreendido em flagrante pela equipe da Delegacia de Juara, nesta terça-feira (16), pelo homicídio de um rapaz...

Após execução, criminosos morrem em confronto com a Força Tática em Mato Grosso

Dois criminosos morreram em um confronto com policiais militares da Força Tática, na tarde desta terça-feira (16), no município de Ribeirãozinho-MT. Conforme a Polícia...

Especiais

Últimas

Editoriais

Siga-nos

Mais Lidas