FOTO: VARLEI CORDOVA - AGORA MT
FOTO: ARQUIVO

O padre alemão Lothar Bauchrowitz completou 73 anos, na sexta-feira (1) em comemoração a data o pároco recebeu a equipe do Agora MT em sua casa para um bate papo sobre a sua trajetória como sacerdote. O padre toma conta da igreja São José Operário desde 1964 e há anos desenvolve um dos maiores programa social da história do município.

Lothar nasceu em 1º de julho de 1938, na cidade de Konigsberg na Prussia, é filho do juiz Hugo Bauchrowitz e da professora Hildegard. O sacerdote que vive em Rondonópolis há 44 anos se lembra de como era a cidade naquela época, tempo que havia poucas casas localizadas no centro e ruas sem asfalto.

O pároco chegou a lançar um livro em 2009 com o título “Memórias de um Padre alemão em terras brasileiras” para que a sua história e de seus parceiros nas obras não sejam esquecidas, podendo servir como incentivo para as outras pessoas. Depois que deixou sua terra natal, o padre vai para Alemanha apenas nas férias para manter contatos com as pessoas que vivem lá e ajudam as obras em Rondonópolis.

Leia também:  Falta de placas de identificação em ruas dificulta localização em bairros

– Quando despertou o interesse pelo sacerdócio?

Eu estava terminando o 2º grau e tinha que escolher o que seguir, cheguei a pensar em seguir os passos dos meus pais, mas acabei optando por seguir o maior patrão que é Cristo, então entrei no seminário diocesano de Mongûncia, perto de Frankfurt.

– Como surgiu a ideia de vir para Brasil?

Sempre admirei o trabalho de missionários, no 4º ano de estudo para padre participei de uma palestra com Dom Vunibaldo Talleur, o primeiro Bispo de Rondonópolis, que nos contou da dificuldade na região de Mato Grosso, momento em que senti o chamado de Cristo para me tornar missionário dessa cidade.

Leia também:  'Mutirão de Negociação Fiscal' é realizado em Rondonópolis

– Que dificuldades você encontrou ao chegar em Rondonópolis?

Quando cheguei na cidade a grande maioria das pessoas moravam na zona rural, a pobreza, a falta de recursos das pessoas que viviam aqui era notória. Depois que assumi a igreja recém construída na Vila Operária, adotei o bairro como o meu segundo lar, todos os dias fazia o trajeto de bicicleta da casa do Bispo até a Vila para poder celebrar as missas, dar à catequese e oferecer apoio as famílias. Nesse caminho já levei muitos tombos devido aos buracos e a falta de asfalto.

– Quais são os projetos sociais que contaram com a sua iniciativa?

Através das Cáritas conseguimos o acesso ao ensino infantil a 1.790 crianças, mantendo 79 creches em Rondonópolis. Ações de geração de renda, colaborando para a qualidade de vida de inúmeras famílias. A criação da casa de apoio a idosos, os cursos profissionalizantes para jovens carentes, o albergue, além da construção de casas populares em Rondonópolis.

Leia também:  Habilitação da UPA é divulgada no Diário Oficial da União

– Como é o seu dia-a-dia?

Levanto bem cedo, às 5h vou para uma piscina para praticar a natação, depois vou à igreja para rezar e dedicar o tempo para atender as pessoas carentes que me procuram, à noite celebro a missa nas comunidades. Tenho um dia agitado, trabalho é o que não falta.

– Que projetos ainda deseja desenvolver para a comunidade de Rondonópolis?

Gostaria de construir uma Capela no residencial Hortência, existem mais de 300 famílias naquele local, se não formos até lá eles não virão até a aqui. Outro desejo é criar algo para os jovens, antes apenas o grupo de jovens funcionava, mas hoje isso não chama mais atenção deles. Infelizmente ainda não encontramos uma maneira para atraí-los.

Para assistir a entrevistas acesse:

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=mvKQznwtisU[/youtube]

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.