O casal continuará na história, embora bem mais discreto Foto: TV Globo/Divulgação

Novela com o maior número de personagens gays dos últimos anos, Insensato Coração fechou o armário. Nada de romance entre homens, nem de apologia homossexual. Por ordem da Rede Globo, os autores Gilberto Braga e Ricardo Linhares vão esfriar a temática homossexual da trama, principalmente o namoro entre Eduardo (Rodrigo Andrade) e Hugo (Marcos Damigo), que vinha ganhando destaque. Cenas do casal já foram cortadas.

“Sou proibido por contrato de dar declarações sobre assuntos internos da empresa”, limitou-se a dizer Gilberto Braga, que não adianta o destino dos personagens. No entanto, O DIA apurou que o casal continuará na história, embora bem mais discreto. As cenas de violência contra os homossexuais, previstas para irem ao ar nas próximas semanas, também estão confirmadas. Xicão (Wendell Bendelack) levará uma surra de um grupo homofóbico liderado por Vinícius (Thiago Martins) e Gilvan (Miguel Roncato) será espancado até a morte por esses mesmos pitboys.

Nos bastidores, o romance entre Eduardo e Hugo começou a enfrentar problemas no fim do mês passado. A cena que insinuava a primeira transa dos dois aconteceria num motel, mas foi transferida para a casa do professor. O ator Rodrigo Andrade, que torcia para que o beijo gay acontecesse, evita polemizar sobre a decisão da emissora: “Recebo o texto e busco fazer o meu melhor como ator. Confio muito no Dennis (Carvalho, diretor), e principalmente na empresa em que trabalho. Fica a critério da direção da casa o que vai ou não ao ar e como serão conduzidos os conflitos da trama”.

Leia também:  Resumo de novelas desta terça-feira (29)

Sem exaltação
Júlio Moreira, presidente do Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBT, lamenta o veto ao romance homossexual. Ele avalia que as cenas de Eduardo e Hugo não tinham nada que pudesse agredir o público ou induzi-lo a uma tendência sexual: “não entendo o medo da Globo em relação a essa temática. Está na hora de a emissora assumir o seu papel de líder e buscar o debate para diminuir o preconceito. A Globo tem que repensar seus valores conservadores”.

Em nota oficial, a Central Globo de Comunicação (CGCOM) afirma que não há censura e alega que suas histórias são levadas a todos os tipos de públicos. “Nossas tramas registram a afetividade e o preconceito, mas não cabe exaltação. Cabe, sim, combater a intolerância, o preconceito e a discriminação contra elas, o que temos estimulado cotidianamente inclusive por meio de campanhas”, diz a nota.

Leia também:  Resumo de novelas desta quarta-feira (30)

Depois de exibir um beijo entre duas mulheres ¿ Gisele Tigre e Luciana Vendramini, em Amor e Revolução ¿, o SBT também decidiu frear a ousadia do autor Tiago Santiago, proibindo o primeiro beijo entre homens, Jeová (Lui Mendes) e Chico (Carlos Artur Thiré). Agora, foram cortadas as cenas que mostravam a homossexualidade do padre Bento (Diogo Picchi). “Não houve veto. Foi uma reflexão conjunta de que já tínhamos um padre pecador, o Inácio (Pedro Lemos), que vai engravidar uma mulher”, explica o autor.

Acidente de carro
Em Vale Tudo, de Gilberto Braga, o casal Laís (Cristina Prochaska) e Cecília (Lala Deheinzelin) não teve final feliz. Elas eram donas de pousada em Búzios, tinham uma relação conhecida e aceita pela família e amigos. No entanto, Cecília morreu num acidente de carro. Na época, comentou-se que as personagens não foram bem recebidas pelo público e, por isso, o autor as separou.

Leia também:  Rico e Lázaro | Após denúncia do filho, Nabucodonosor absolve Nebuzaradã

Explosão
Outro casal homossexual que não agradou foi a estilista Rafaela (Christiane Torloni) e a ex-modelo Leila (Silvia Pfeifer), de Torre de Babel. As duas eram sócias de uma butique. O autor Silvio de Abreu aproveitou a explosão do shopping Tropical Towers, numa cena antológica da teledramaturgia brasileira, para eliminar os personagens que o público havia rejeitado. Assim, Leila e Rafaela viraram pó.

Morte Lamentada
O casal gay formado por Julinho (André Arteche) e Osmar (Gustavo Leão) roubou a cena nos primeiros capítulos do remake de Ti-ti-ti, escrito por Maria Adelaide Amaral. A relação dos dois foi mostrada com delicadeza. A morte de Osmar num acidente de carro foi lamentada pelo público e gerou revolta nas redes sociais.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.