Rondonópolis é o 60º município brasileiro que apresentou maior taxa de incidência de casos de Aids por 100 mil habitantes. Foto Abril.com

O Ministério da Saúde relatou no Boletim Epidemiológico Aids-DST (Ano VIII, nº 01/2011), que Rondonópolis é o 60º município brasileiro que apresentou maior taxa de incidência de casos de Aids por 100 mil habitantes. O relatório, em sua verão preliminar, demonstra que Cuiabá ocupa a 14ª posição dentre as 26 capitais e Mato Grosso é o 10 na estatística.

A gerente do Departamento de Ações Programáticas da Secretaria Municipal de Saúde, Mariúva Valentim Chaves, disse que por um lado o resultado é positivo, pois demonstra que as ações desenvolvidas pelo Departamento tem surtido efeito.

Segundo Mariúva, o trabalho de levantamento de portadores do HIV tem sido mais constante, pois é resultado de 22 anos de trabalho e já está consolidado. A gerente afirmou que hoje 100% das mulheres que realizam pré-natal realizam o exame. E atualmente o número de pessoas da 3ª idade que realizam o teste para HIV também aumentou. Além das campanhas realizadas no município.

Leia também:  Santa Casa de Rondonópolis volta a atender depois de 13 dias em greve

Chaves relatou que a rapidez e sigilo no resultado do exame têm contribuído para que as pessoas descubram cada vez mais cedo o contagio com o vírus.

Em contrapartida Mariúva observa que Rondonópolis é um entroncamento e passam muitas pessoas pela cidade, e algumas são portadoras do vírus e infectam outras pessoas. A gerente relatou também que infelizmente há o grupo de pessoas que tem medo do resultado, o que pode ser um problema, pois de acordo com o Ministério da Saúde, uma pessoa sem parceiro fixo e com a vida sexualmente ativa pode infectar pelo menos mais 15 pessoas. Apesar de que na triagem de um paciente, em Rondonópolis, foi constatado que antes de ser confirmada a doença ele contagiou pelo menos 46 pessoas.

Leia também:  Pátio exagera e diz que bancada federal dá a vida por Rondonópolis

Segundo a Organização da Saúde, o vírus da Aids já matou mais de 25 milhões de pessoas pelo mundo desde o seu descobrimento nos anos 80.

O governo federal afirma que “a epidemia no país é concentrada”. Todos os números citados no Boletim Epidemiológico Aids-DST foram notificados no Sistema de Informações de Agravos de Notificação (Sinan) e declarados no Sistema de Informações de Mortalidade (Sim). Eles também estão nos Sistemas de Controle e Logística de Medicamentos (Siclom), e de Exames Laboratoriais (Siscel).

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.