Foto: Isape

A produção industrial oscilou 0,21% no mês de junho quando comparada a maio de 2012, depois de três meses seguidos de desempenho negativo que acumularam perdas de 2,1%, segundo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Frente ao mesmo mês de 2011, a indústria nacional sofreu uma queda de 5,5% – décimo resultado negativo seguido, e o mais intenso desde setembro de 2009 (-7,6%). A queda é de 3,8% no semestre, e de 2,3% nos últimos doze meses.

De janeiro a junho de 2012, os ramos da indústria que mais apresentaram recuo na produção foram: bens de capital (-12,5%), bens de consumo duráveis (-9,4%) e bens intermediários (-2,5%). Os níveis de produção industrial estão ligados à baixa intenção de consumo das famílias, que seguram o consumo por conta dos níveis de calote, e ao câmbio.

Leia também:  Passageiros sobrevivem após queda de avião em GO

Ainda assim, na passagem de maio para junho, 12 dos 27 ramos investigados apontaram avanço na produção, com destaque para os setores de outros equipamentos de transporte (12,5%), farmacêutico (8,6%) e de veículos automotores (3,0%). Todas essas categorias apresentaram melhora em relação a maio.

A evolução do índice de média móvel trimestral para a indústria mostrou oscilação negativa, de 0,4%, no trimestre maio–junho, mantendo o comportamento predominantemente negativo observado desde agosto de 2011.

Entre as categorias de uso, os resultados negativos foram registrados por bens de consumo semi e não duráveis (-0,8%) e bens intermediários (-0,5%), que prosseguiram com as trajetórias descendentes iniciadas em março e abril últimos, respectivamente.

Leia também:  Homem embriagado quebra o braço da esposa com cadeirada e a deixa trancada em casa

No acumulado de 2012, a produção de bens semi e não duráveis caiu -0,3%. O segmento de bens duráveis avançou 0,7% em junho frente ao patamar do mês anterior, acelerando o ritmo frente ao resultado de maio (0,2%).

O setor produtor de bens de capital (0,2%) também apontou taxa positiva no mês, a terceira consecutiva nesse tipo de indicador, mas a menos intensa da sequência. Nos seis primeiros meses de 2012, o setor foi pressionado pela menor fabricação de bens de capital para transporte (caminhões, caminhão-trator para reboques e semirreboques, chassis com motor para caminhões e veículos para transporte de mercadorias), segundo o IBGE.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.