Peregrinos muçulmanos circulam a Caaba enquanto rezam dentro da Grande Mesquita na cidade de Meca, Arábia Saudita, no fim desta terça-feira (23) (Foto: AP)

Quase 3 milhões de peregrinos muçulmanos iniciaram nesta quarta-feira (24) a primeira fase do haj, como é chamada a peregrinação anual à cidade santa de Meca. Durante o evento, eles percorrerm as ruas lotadas que saem da Grande Mesquita de Meca para o enorme campo em Mina, nos arredores da cidade da Arábia Saudita.

Em meio a um mar de pessoas, todas vestidas com as mesmas vestes brancas, os peregrinos incapazes de entrar em uma nova linha ferroviária lotavam os 18 mil ônibus fornecidos pela cidade ou se amontoavam em caminhonetes. Outros caminharam os 5 quilômetros até Mina sob uma temperatura de 35 graus Celsius, no fim da tarde.

“Quero pedir a Deus o paraíso… Não quero nada do mundo. Quero ganhar o paraíso e estar entre os homens bons”, disse o iemenita Abdul Raki al-Yamani, que vive em Meca, enquanto aguardava para subir em um ônibus.
Peregrinos muçulmanos circulam a Caaba enquanto rezam dentro da Grande Mesquita na cidade de Meca, Arábia Saudita, nesta

Leia também:  Itália investiga roubo de relíquias com sangue do Papa João Paulo II

Pilar do islã
A peregrinação é um dos cinco pilares do islã e é uma obrigação para todos os muçulmanos pelo menos durante uma vez na vida, caso sejam capazes de fazê-lo.

O prefeito de Meca, Osama Fadl al-Bar, disse que a expectativa é de que este ano 3 milhões de pessoas façam a peregrinação, incluindo os que são da própria Arábia Saudita. O Ministério do Interior informou que 1,75 milhão chegaram do exterior.

O haj deste ano tem como pano de fundo uma divisão no Oriente Médio, o centro histórico do mundo islâmico, uma vez que o Irã, formado por xiitas, e países sunitas como Arábia Saudita e a Turquia estão em lados opostos da guerra civil na Síria.

Leia também:  Controladora de voo lança livro relatando tragédia da Chapecoense que matou 71 pessoas

Os governos saudita e iraniano minimizaram a possibilidade de problemas relacionados à política no haj. As autoridades da Arábia Saudita, entretanto, advertiram que não permitirão desordens.

Em alguns anos, o haj foi marcado por desastres, incluindo tumultos e incêndios, nos quais centenas de pessoas morreram. Mas as autoridades investiram pesado em uma infraestrutura melhor e desde 2006 não há incidentes do tipo.

Trajeto
Na quinta-feira (25), os peregrinos viajarão outros 7 quilômetros até o monte Arafat, uma colina rochosa onde vão rezar. O momento é considerado por muitos muçulmanos o clímax do haj.

O sírio Hussein Ali, de 37 anos, que vive no Kuweit, decidiu caminhar de Meca ao Arafat. “Começo a marchar ao Arafat depois da meia-noite e devo levar cerca de três horas”, afirmou.

Depois, eles passarão a noite nas planícies de Muzdalifah, onde devem pegar os pedregulhos a serem usados no dia seguinte para jogar contra três grandes muros representando Satã em Jamarat, entre Meca e Mina.

Leia também:  Mídia internacional repercute morte de turista espanhola na Rocinha

“Arafat é o maior pilar do haj e espero que Deus aceite minhas orações ali. Espero ter dinheiro o suficiente para que possa vir aqui de novo para me arrepender dos meus pecados”, disse o pescador Mohammed Omar Emara, de 33 anos, do Egito.

Ele viajou por três dias de ônibus para chegar a Meca depois de receber dinheiro do pai para fazer a viagem.

“Estou feliz de estar aqui, para me arrepender dos meus pecados nesta antiga casa de Deus e as boas ações são duplamente recompensadas aqui”, disse Emara, enquanto andava pelo bairro de Aziziyah, em Meca, em busca de uma loja para comprar pão e água para a viagem.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.