Foto: Divulgação/Warner Bros
“Toque outra vez, Sam”, “Nós sempre teremos Paris” ou “O mundo está desmoronando e nós nos apaixonamos” – não é preciso dizer mais nada… Há 70 anos era iniciada “uma grande amizade” entre o público de qualquer geração e a história de amor mais famosa do cinema.

O roteiro de “Casablanca” foi escrito durante uma manifestação, a Segunda Guerra Mundial tinha deixado Hollywood sem galãs e Humphrey Bogart havia entrado no elenco do filme de última hora, substituindo ninguém menos que Ronald Reagan. Ao invés de Ingrid Bergman, os produtores haviam pensando em Hedy Lamarr, enquanto o filme nem sequer seria ambientado no Marrocos, mas em Lisboa.

“Casablanca” nasceu mais como um filme de propaganda política do que como uma história de amor imortal, cujo exotismo seria reconstruído inteiramente nos estúdios. A estação de Paris, por exemplo, foi reciclada de outro filme da Warner, “A estranha passageira”.

Leia também:  William Bonner sofre acidente e é afastado do 'Jornal Nacional'

A princípio, o filme teria o mesmo título da obra de teatro na qual se baseava, “Everybody comes to Rick’s” (“Todo mundo vem ao Rick’s”), mas essa ideia acabou sendo descartada na tentativa de repetir o mesmo sucesso de “Argélia”, rodado três anos antes.
Assim, a tropeços, um dos filmes com mais momentos inesquecíveis e rememorados do cinema era desenvolvido.

O fato é que, com três prêmios Oscar conquistados, uma trama cheia de diálogos inesquecíveis, interpretações antológicas de Bogart e Ingrid Bergman (assim como Claude Rains e Peter Lorre em papéis secundários) e uma música de Max Steiner, “Casablanca” entraria para sempre para a eternidade.

Michael Curtiz, diretor de “As aventuras de Robin Hood” e “A carga da brigada ligeira”, foi o inesperado artífice desse milagre, já que o mesmo também não era citado como primeira opção, e sim o mestre do melodrama William Wyler.

Leia também:  Rico e Lázaro | Shag-Shag insinua que Labash-Marduk pode ser filho de Nabucodonosor

No entanto, essa equipe de “suplentes” encontrou tal sinergia que impôs seu “amor” até ofuscar a Marselhesa, que soava já nos créditos iniciais, e a mensagem de oposição aos nazistas em um projeto que começou a ser idealizado apenas um dia depois do ataque japonês contra Pearl Harbor.

Rick e Ilsa, os amantes que o tempo e a História desejarão separar continuamente, davam ao melodrama clássico de Hollywood um adicional de amargura, arrematado com esse final realista tão pouco acostumado na época. Um amor inoportuno, cuja potência já não poderá vencer as adversidades, mas a mera conveniência. Esse foi um duro golpe para a segunda chance e uma vitória para a derrota.

Leia também:  Rico e Lázaro | Belsazar zomba do sumiço do rei e Amitis lhe acerta um tapa

Dado que Paul Henreid e Claude Rains só chegaram mais tarde aos sets de filmagem devido ao excesso de trabalho no filme anterior, a primeira cena filmada por Bogart e Ingrid foi o encontro no piano, mas, desde então, a química já ficou evidente.

Era um casal perfeito dentro da magia do cinema, já que ele teve que subir em caixotes para ganhar os cinco centímetros que a atriz sueca o tirava. Apesar de a canção que os remetiam ao passado se chamar “As time goes by”, essa cena acabou sendo congelada nas retinas dos cinéfilos.

Foto: Divulgação/Warner Bros

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.