Trabalhadores andam perto do local de construção da segunda usina nuclear da Bulgária, em Belene, no dia 24 de janeiro; população participa de referendo neste domingo (27) sobre a construção (Foto: Stoyan Nenov/Reuters)
Trabalhadores andam perto do local de construção da segunda usina nuclear da Bulgária, em Belene, no dia 24 de janeiro; população participa de referendo neste domingo (27) sobre a construção (Foto: Stoyan Nenov/Reuters)

Mais de 11.500 colégios eleitorais na Bulgária abriram neste domingo (27) suas portas para que os quase 7 milhões de cidadãos com direito a voto participem do referendo sobre a construção ou não de uma nova usina nuclear.

Os colégios estarão abertos para os búlgaros responderem à pergunta “Deve se desenvolver a energia nuclear na Bulgária com a construção de uma nova central atômica?”.

A consulta, a primeira na Bulgária desde o fim da ditadura comunista, foi impulsionada pela oposição socialista depois que em março do ano passado o Governo cancelou um projeto russo para construir a segunda usina atômica do país, argumentando que seu preço ultrapassaria os 10 bilhões de euros.

Leia também:  Seis pessoas são presas por planejar atentado na Alemanha

A Bulgária cobre 34% de sua necessidade de energia elétrica graças aos dois reatores de Kozloduy, uma usina de construção soviética dos anos 1970 que o Governo está disposto a ampliar com uma nova turbina.

Para que seja válido o resultado da consulta, de caráter vinculativo, a participação eleitoral deve alcançar pelo menos 60%.

Os primeiros dados, segundo pesquisas de boca de urna, serão conhecidos imediatamente depois do fechamento dos colégios, enquanto um avanço do resultado definitivo se tornará público horas depois do fim das votações.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.