A recente tragédia ocorrida na cidade de Santa Maria no Rio Grande do Sul, tem sido tema de todos os noticiários nacionais e internacionais, a comoção é grande e não é pra menos mais de 200 pessoas mortas na flor da idade  por ação de uns e  omissão de outras.

Aqui em MT, ela ocorre nas rodovias federais que cortam o estado, as causas são várias dentre elas irresponsabilidade de alguns motoristas, porém o estado tem participação  em ação e omissão.

Como exemplos, a serra de São Vicente que fica entre Jaciara e Cuiabá foi palco de muitas mortes, com o estado omisso, quando agiu, ficou mais duas décadas “agindo” foram duas décadas para fazer a duplicação de um pequeno trecho de asfalto.

Leia também:  Distribuição de rendas públicas

De acordo com as estatísticas da Policia Rodoviária Federal o maior índice de acidentes ocorrem nas áreas suburbanas, pois bem, acertadamente resolveu-se construir travessias urbanas que consiste em duplicar as Brs nestes trechos.

Em Rondonópolis e Jaciara há quase 5 (cinco) anos que se arrasta a construção de menos de 15 kilômetros de asfalto e neste período só neste trecho foram  registrados mais de 1500 acidentes e diversas mortes.

Como se não bastasse a demora, temos a omissão de órgãos que deveriam fiscalizar estas obras , e ai se incluem DNIT, Prefeituras, câmara de vereadores.

O DNIT por exemplo tem um cuidado imenso com as margens da rodovia,  cumpre a risca a lei das construções a margem das Brs,  no que está correto, porém deixa a desejar quando permite a construção de milhares de quebra molas todos ao arrepio da legislação.

Leia também:  Não se aposente da vida

Estes trambolhos sobre as Brs não quebram apenas molas, matam famílias inteiras, são obstáculos impossíveis de se manterem sinalizados e que pegam as vítimas de surpresa.

O que mais preocupa é que nos últimos 3 anos foram 718 mortos nas BRs, uma tragédia de Santa Maria por ano e não vejo isto se tornar prioridade.

O trânsito tem um tripé de segurança, que é a engenharia a educação e a fiscalização, na engenharia já sabemos como está, na fiscalização, a PRF faz figura, pois MT é tratado como estado de segunda categoria, recentemente o governo federal retirou de Mato Grosso quase 200 PRFs e enviou para outros estados e ainda queria que MT cuidasse de um trecho de 70 km das rodovias de Goiás.

Leia também:  Saúde do Homem: prevenção sempre

Fui até Brasília e falei com o líder da bancada federal na época, ele com o semblante de quem tem coisas mais urgentes a tratar me disse, “mas são apenas 70 kilômetros”.

Agora fico sabendo que os nosso mortos terão uma importância, servirão de argumento para que construam praças de pedágios, nossa “Santa Maria” é anual e serve como meio de vida para muito vagabundo seja cobrando pedágio seja superfaturando obra.

Autor: José Antonio dos Santos Medeiros

suplente senado PPS MT

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.