Após a ausência do prefeito Percival Muniz em uma reunião agendada para a manhã desta terça-feira (21) onde seria discutida a questão da reposição salarial, o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rondonópolis (Sispmur) repudiou as declarações do chefe do Poder Executivo na conferência das cidades e na discussão do plano municipal de educação ocorrido na UFMT.

Rubens de Oliveira Paulo, presidente do Sispmur, explicou que apesar da reunião ter sido agendada há algum tempo o prefeito simplesmente não compareceu, mesmo estando na cidade. A pauta da reunião com Percival seria entre outras coisas o reajuste salarial dos trabalhadores que precisa ser apresentada na próxima Assembleia Geral dos servidores, marcada para o dia 29 de maio.

O sindicalista destacou que durante a campanha eleitoral, Percival participou de uma sabatina com os servidores e recebeu as reivindicações do Sispmur, prometeu valorização e agora critica os servidores em todas as reuniões e eventos em que o mesmo comparece.

Leia também:  Mais de 20 mil alunos voltam às aulas da rede municipal em Rondonópolis

Segundo Rubens, Percival tem feito declarações de que os servidores do município são ‘preguiçosos’, não gostam de trabalhar e são verdadeiros ‘marajás’ que ganham muito e não fazem nada. Rubens reitera que isso é uma inverdade, pois os efetivos foram os únicos responsáveis pela continuidade dos trabalhos entre os meses de novembro e fevereiro, quando o número de servidores do município foi reduzido.

Nos primeiros meses do seu governo, o Prefeito lotou todos os cargos que estavam vagos, além de uma lotação exagerada de contratados que não conseguem desempenhar suas funções simplesmente por não saber, e o servidor efetivo tem que ensinar porque ninguém começa sabendo e isso se repete a cada troca de administração.

Leia também:  Prefeitura disponibiliza emissão de documentos fiscais de forma gratuita via site

Paulo argumentou que em relação ao salário que o prefeito não para de criticar, fazendo generalizações que todos os servidores são preguiçosos e marajás. Contudo, essas ponderações na imprensa e na sociedade são encaixadas para políticos e isso não é novidade para ninguém.

Como se não bastasse às declarações, Rubens observou que Percival adquiriu um hábito reprovável de criticar os professores, que para o presidente do Sispmur são os agentes transformadores da sociedade, os produtores do conhecimento que cotidianamente ensinam e trabalham de tal forma com as crianças, que nem os próprios pais conseguem impor limites. E ainda, comparam alunos de escola privada com os alunos de baixa renda das escolas públicas que não tem acesso à informação.

Leia também:  Pátio reconhece problema, mas nega fechamento da Coder

Rubens frisou que é lamentável, mas até o momento o chefe do Poder Executivo tem apenas criticado erroneamente os servidores que desempenham as atividades com seriedade, dedicação e que são altamente qualificados, em regra com nível superior ou especialista, e que demonstraram serem os melhores quando passaram num concurso público.

“Gostaria de esclarecer que funcionário público com 20 anos de profissão se necessitar deixar o cargo ou trocar de profissão, sai sem direito a nada, pois em lugar de FGTS temos licença prêmio, e que existem críticas que são simplesmente por desconhecerem o setor público e o direito administrativo”, finaliza.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.