Banhistas aproveitam dia de sol descansando em rocha próxima ao navio Costa Concordia, que permanece há um ano e meio tombado à beira da ilha de Giglio, na Itália. (Foto: Giampiero Sposito/Reuters)
Banhistas aproveitam dia de sol descansando em rocha próxima ao navio Costa Concordia, que permanece há um ano e meio tombado à beira da ilha de Giglio, na Itália. (Foto: Giampiero Sposito/Reuters)

Cinco oficiais do navio Costa Concordia, que naufragou em janeiro de 2012 deixando 32 mortos, foram condenados neste sábado a penas que variam de 18 meses a dois anos e 10 meses de prisão. Com a divulgação das penas, o capitão Francesco Schettino permanece como o único réu do caso ainda em julgamento.

Os cinco oficiais fizeram um acordo com a acusação e se declararam culpados perante à Corte, evitando um longo julgamento. Eles foram condenados por acusações de homicídio e negligência.

Quatro dos condenados, cujos advogados formalizaram as requisições de negociação de suas sentenças em maio, em uma audiência preliminar, estavam à bordo do navio no momento da tragédia.

Leia também:  Morador de rua que socorreu várias vítimas de ataque em Manchester recebe de presente casa própria

O quinto é o diretor da unidade de crise da Costa Crociere, Roberto Ferrarini. Ele recebeu a pena mais dura, de dois anos e dez meses de prisão.

O gerente de bordo, Manrico Giampedroni, recebeu dois anos e seis meses de prisão e o oficial de bordo, Ciro Ambrosio, foi condenado a um ano e 11 meses de detenção. O timoneiro indonésio, Jacob Rusli Bin, foi condenado a um ano e oito meses, enquanto outra oficial à bordo, Silvia Coronica, foi condenada a um ano e seis meses, a menor pena.

O julgamento do capitão Schettino deve durar semanas, segundo especialistas. No dia 16, seu advogado pediu um acordo amigável ao ao tribunal de Grosseto.

Um pedido inicial neste sentido havia sido rejeitado em maio.

Leia também:  Diretor de comunicação de Trump renuncia cargo e deixa Casa Branca

A solicitação foi feita pelo advogado Domenico Pepe, que pediu uma pena de três anos e cinco meses de prisão para o capitão Schettino em troca de um reconhecimento parcial de culpa no acidente que matou 32 pessoas em janeiro de 2012.

O julgamento de Schettino começou nesta quarta, um ano e meio após o naufrágio.

O navio permanece encalhado em frente à ilha de Giglio, na costa da Itália.

O processo ocorre em Grosseto, na região central da Itália, e havia sido marcado para iniciar no dia 9. No entanto, foi adiado por conta de uma greve de advogados.

Apresentaram-se 242 partes litigantes, entre passageiros, grupos ambientalistas, prefeitura e o grupo Costa Cruzeiros, ao qual pertencia o navio.

Leia também:  Mulher mata namorado brincando com arma de fogo nos EUA

O processo é realizado, assim como foi para as audiências preliminares, no teatro de Grosseto, devido à presença de aproximadamente 160 pessoas entre público, parentes das vítimas e passageiros.

O julgamento terá longa duração, pois a promotoria convocou 338 testemunhas, enquanto o advogado de Schettino chamou 96, e as partes litigantes, 575.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.