A quadrilha está envolvida em diversos arrombamentos de bancos nos Estados de Mato Grosso - Foto: Assessoria
A quadrilha está envolvida em diversos arrombamentos de bancos nos Estados de Mato Grosso – Foto: Assessoria

Quinze integrantes da quadrilha de furtos a bancos, que utilizava guarda-sol para se esconder das câmeras de vigilância e driblar o sensor de presença das agências bancárias, foram interrogados na semana passada, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso.
O bando começou a ser desarticulado no dia 14 de junho deste ano, em ação conjunta do Grupo Armado de Repressão a Roubos, Assaltos e Sequestros (Garras), da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, Polícia Civil do Paraná e o GCCO.

A quadrilha está envolvida em diversos arrombamentos de bancos nos Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e Rondônia. Em Mato Grosso o bando é investigado em oito furtos a agências bancárias, sendo 4 consumados. Em Cuiabá, o grupo atacou agências do Banco do Brasil da Avenida da Feb, em Várzea Grande, Prainha e Fernando Correa da Costa.

Leia também:  Dupla agride rapaz a pauladas para roubar motocicleta

No interior, obando furtou R$ 120 mil da agência do município de Nova Olímpia (207 km a Médio-Norte) e de Rosário Oeste (128 km ao Norte) levou R$ 35 mil. “Começamos a observar essa ação em janeiro deste ano. É uma quadrilha com raízes aqui que atua em outros estados”, destacou o delegado titular do GCCO, Flávio Henrique Stringueta.

De acordo com o delegado, quatro dos presos confessaram o furto na agência da cidade de Poxoréu (251 km ao Sul) e apontaram envolvidos nos furtos as agências de Nova Olímpia, Rosário Oeste e Avenida da Feb, em Várzea Grande. “Os interrogatórios vão ajudar no esclarecimento das demais invasões ocorridas”, afirmou Stringueta.

As agências bancárias eram invadidas sempre aos finais de semana e no período noturno. A quadrilha quebrava paredes a marretadas e abria o cofre com maçarico ou outras ferramentas como furadeiras de alta pressão.

Leia também:  Menor é apreendido e veículo é recuperado em menos de 24 horas na capital

Integram a quadrilha cinco pessoas de uma mesma família com residência, em uma chácara na estrada do Distrito de Nossa Senhora da Guia, em Cuiabá, que acabaram presas no Mato Grosso do Sul. Os irmãos Jonas de Oliveira, Josias de Oliveira, Marilene de Oliveira e Joel de Oliveira, que é cadeirante, foram presos pelo Garras em Campo Grande (MS) e a mulher de Joel, Adriana Aparecida Miranda, no Estado do Paraná.

Todos os presos foram interrogados e indiciados em inquérito policial em andamento no GCCO, que apura furtos qualificados praticados em agências bancárias no Estado de Mato Grosso. Os interrogatórios foram colhidos na sede do Garras, em Campo Grande (MS).

Para o delegado Flávio Stringueta a modalidade criminosa é diferenciada, mas gera lucro tão ou maior que as ações do ‘novo cangaço’. “É um crime cuja pena é inferior ao ‘novo cangaço’, que oferece menos risco a quadrilha, que se presa permanece por um tempo reduzido na cadeia”, observou o delegado.

Leia também:  Sinop | Acidente na BR-163 deixa homem gravemente ferido

Stringueta informou ainda que a quadrilha era investigada pelo GCCO em arrombamentos de caixas eletrônicos. No entanto, foi a partir de informações do Garras de Mato Grosso do Sul, que foram identificados nos furtos as agências com o uso do guarda-sol. “Eles estavam com as investigações mais avançadas e nos auxiliaram aqui”, disse.

Em Mato Grosso do Sul a quadrilha furtou agências de Campo Grande e Alvorada do Sul. Em um dos furtos um integrante deixou uma impressão digital que foi possível chegar a Sérgio Antunes, natural de Maringá, no estado do Paraná, e que já havia sido preso em Cafelândia (PR), por furto em banco praticado como o mesmo “modus operandis”. Na ocasião, a Polícia do Paraná prendeu 13 membros do grupo criminoso.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.