O ministro das Relações Exteriores do Paraguai, José Félix Fernández, disse que aguarda uma decisão favorável ao seu país durante a Cúpula do Mercosul, que ocorre na quinta-feira (11) e na sexta-feira (12), no Uruguai. Para o chanceler, a expectativa é que acabe a suspensão ao Paraguai, definida há quase 13 meses pelos líderes do bloco, que discordaram da forma como foi conduzido o processo de impeachment do então presidente Fernando Lugo.

“Uma vez reintegrado, vamos estudar, todos os quatro fundadores [do Mercosul], a situação da Venezuela”, disse o ministro, referindo-se ao fato de a Venezuela ter sido incorporada em dezembro de 2012 ao bloco, quando o Paraguai estava suspenso do grupo, portanto não opinou sobre o tema.

Leia também:  Ataques contra quartel da Polícia deixam mais de 60 mortos no Afeganistão

A suspensão do Paraguai do Mercosul deve ser um dos temas da reunião hoje (9), em Brasília, dos ministros das Relações Exteriores, Antonio Patriota, e do Uruguai, Luis Almagro. No dia 12, o Uruguai passará a presidência pro tempore do bloco para a Venezuela. Almagro, em junho, defendeu a reintegração do Paraguai ao Mercosul.

O chanceler paraguaio reiterou que a suspensão do país “nunca se ajustou ao direito internacional” e o “justo é reabilitar o Paraguai hoje”. Ele lembrou que o presidente eleito do Paraguai, Horacio Cartes, pediu que a reincorporação ocorra imediatamente após a posse dele, em 15 de agosto.

“Espero que [os membros do Mercosul] tomem uma decisão sensata, por exemplo, seguindo a sugestão proposta pelo presidente eleito [Cartes]”, disse o chanceler.

Leia também:  Brasileira é morta por sufocamento e golpes com taco de beisebol no Havaí
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.