Desde a conquista do Campeonato Brasileiro de 2011, o torcedor do Corinthians não sabia o que era sofrer. De lá para cá, a Fiel comemorou a Taça Libertadores da América, o Mundial de Clubes, o Campeonato Paulista e a Recopa Sul-Americana. Só que depois de tanto tempo, o Timão voltou a entender o que é crise. Há cinco jogos sem vencer no Brasileirão 2013, a equipe passou a receber cobranças mais veementes da torcida e teve até de mudar de rota para fugir da pressão.

Referência nos contextos nacional e internacional, o Corinthians está convivendo com os alguns pecados capitais atualmente, como gula, avareza/ganância, luxúria, ira, inveja, preguiça e vaidade/orgulho. No comando da equipe desde outubro de 2010, Tite, considerado por muitos o maior técnico da história do clube, não tem conseguido repetir o bom trabalho de antes. Muitos atribuem a queda de produção à venda de Paulinho para o inglês Tottenham, mas há muito mais problemas.

Leia também:  Preparador de goleiros lembra o dia em que Neymar enfrentou o União

Durante toda a era Tite, o único momento de maior turbulência foi em fevereiro de 2011, quando o Corinthians foi eliminado na primeira fase da Libertadores para o até então desconhecido Tolima, da Colômbia. O técnico balançou, mas não caiu. Seguiu firme no cargo e deu início a uma trajetória pra lá de vitorioso. Trajetória que agora faz a torcida cobrar por mais e mais títulos. Nos últimos dois jogos, irritada com a apatia do time, ela gritou: “Joga por amor ou joga por terror”.

Clube mais rico do país na atualidade, o Timão não tem economizado nos investimentos em marketing e na construção do seu estádio, em Itaquera. Não fez isso também na montagem do elenco para esta temporada. Talvez aí esteja um dos problemas. O investimento de R$ 40 milhões na contratação de Alexandre Pato e a chegada de outros medalhões mudaram a política do futebol corintiano, que antes apostava em contratações a custo zero ou de desconhecidos com potencial.

Leia também:  Luverdense perde do Inter com gol polêmico no final

– Temos um grande elenco, até por isso, com os resultados não aparecendo, a coisa fica estranha. É um grande time, e o rendimento não é satisfatório por isso. A janela internacional está fechada e a maioria dos jogadores na Série A já fez mais de sete partidas… Não existem opções (para contratar mais) – disse o diretor-adjunto de futebol do Timão, Duílio Monteiro Alves.

O fato é que o técnico Tite está irado com o baixo rendimento da equipe, em especial do ataque. Nas últimas cinco partidas, o Corinthians fez apenas um gol. De quebra, tem o segundo pior ataque da competição, com 20 gols marcados. Só é melhor nesse quesito do que o lanterna Náutico, dono de somente dez gols no Brasileirão. Em determinado momento da partida contra o próprio time pernambucano, na última rodada do primeiro turno, o técnico fez um teste ousado.

Leia também:  Ronaldo é ovacionado pela torcida do Real ao participar de jogo de lendas
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.