O projeto verão 2014 dos viciados em academia vai além do “combo” dieta e malhação de sempre: inclui de 30 a 40 minutos de exercício feito de barriga vazia –método batizado com a sigla AEJ (aeróbico em jejum).

Popular entre fisiculturistas, que usam a prática para queimar gordura, o AEJ se espalhou entre não atletas, embalado pela divulgação na internet de blogueiros e “celebridades fitness”.

De abril a dezembro deste ano, as buscas pelo termo no Google cresceram 230%. E já há mais de 11 mil fotos com a “hashtag” AEJ no Instagram.

É lá que Rodrigo Purchio, 24, e Roberta Pacheco, 22, apelidados de casal “frango com batata-doce”, espalham a 102 mil seguidores sua rotina de exercícios.

A alcunha, que dá nome a um blog ), vem da mania de Rodrigo de comer os dois alimentos juntos –prato-chave de marombeiros porque une uma proteína magra e um carboidrato.
Rodrigo tem 10% de gordura no corpo –homens devem ter até 15%, segundo o fisiologista do exercício Turibio Leite de Barros. “Quero chegar a 5% mantendo os músculos que tenho.”

É aí que o exercício em jejum entra. O AEJ se baseia na ideia de que, graças ao estoque baixo de carboidrato, resultado de uma noite inteira sem comer, o exercício feito antes do café da manhã usaria gordura como fonte principal de energia.

Leia também:  Um jeito inesperado de prevenir a endometriose

“Teoricamente parece interessante, mas na prática não funciona”, diz Ivan Pacheco, diretor da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte.

Há poucas pesquisas que sustentam a teoria. Segundo o médico, mesmo em jejum o corpo tem estoques de carboidrato. E o que determina o gasto maior de gordura é a intensidade do exercício.

A receita do AEJ inclui fazer uma atividade moderada, por no máximo 40 minutos. “Exercício de intensidade baixa ou moderada usa mais gordura como fonte de energia mesmo que a pessoa tenha se alimentado”, argumenta Pacheco.

ESCALAR MONTANHA

Rodrigo e a namorada, Roberta, fazem esteira inclinada ou bicicleta ergométrica em jejum. “Sou capaz até de subir montanha sem comer, mas controlo a intensidade de acordo com os batimentos cardíacos”, diz ele.

Se a atividade ficar extenuante, o uso de gordura como fonte de energia diminui e cresce o uso de carboidrato e proteínas, explica o médico do esporte Franz Burini.

Leia também:  A obesidade que você não vê no espelho

O limite entre usar uma ou outra fonte de energia é tênue. Caso o organismo consuma as reservas de açúcar, há risco de hipoglicemia, com sintomas como tontura, suor frio e desmaios, segundo Burini. Em atividades prolongadas, há maior chance de perda de massa magra (músculo).
“É uma técnica que deve ser adotada em situações extremas, por pessoas com acompanhamento. O leigo quer entrar na moda e pensa que se é bom para o fisiculturista é bom para ele. Mas os riscos superam os benefícios para a maioria”, diz Burini.

Quando começou a praticar AEJ, Roberta morria de medo de passar mal. “Sou hipoglicêmica e minha pressão é baixa.” Os bons resultados que viu no namorado a convenceram, mas ela começou devagar –com acompanhamento e suplementos de aminoácidos, fez 15 minutos por dia até pegar confiança.

“Nas primeiras vezes me senti mais fraca, mas nunca passei mal. Hoje, faço 40 minutos quase todo dia. É o exercício aeróbico de que mais gosto.” E não é o único. Ela faz três horas de atividade física diariamente.

Leia também:  Álcool pode ser mais prejudicial para as mulheres

“Não é o jejum que faz o corpo dessas pessoas ficar superdefinido. É a rotina regrada de dieta e exercícios”, diz a nutricionista Jéssica Borrelli, especialista em esporte.

Para ela, se exercitar sem comer não compensa. Como a atividade tem que ser de baixa intensidade, o gasto calórico também acaba sendo baixo.

“Não vale mais a pena comer antes para conseguir treinar melhor, gastar mais calorias e consequentemente mais gordura?”

Para quem acorda e vai direto para a academia, ela recomenda tomar antes um copo de água de coco, que tem carboidratos e é de absorção rápida. Quem for esperar uma hora pode comer carboidratos complexos –pão com fibras, por exemplo.

“Tanto faz se o corpo usou mais carboidrato ou mais gordura como fonte de energia. Para emagrecer o que importa é gastar energia, queimar mais do que ingerir”, afirma o médico do esporte Marcelo Leitão.

Uma alternativa ao AEJ é fazer exercícios intervalados, alternando ciclos de baixa e de alta intensidade, diz Burini. Nesse caso, a queima de gordura e a de calorias é alta.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.