A atitude de um grupo de jovens do XV de Piracicaba, que descoloriu os cabelos no início da Copa São Paulo de Futebol Júnior, irritou muito os dirigentes. Tanto que, ao criticar a campanha do clube no torneio, um diretor reativou a polêmica que já parecia superada. Segundo Renato Bonfiglio, a ordem de tirar os fios loiros para a partida contra o Corinthians, na segunda rodada, foi dele. O cartola atacou os meninos e insinuou que a atitude foi tomada apenas para chamar a atenção.

– O atleta tem que jogar futebol. Aqui não é desfile de moda. Eles têm que saber se comportar. Por que não pintaram outras vezes antes da Copa São Paulo? Por que só agora? Para aparecer? Eles pintaram o cabelo contra a Inter e não jogaram nada. Até faltou comprometimento com o clube. A molecada tem que saber dosar. Tenho filho da mesma idade, mas ele não pinta cabelo. Se meu filho pintar cabelo, não entra dentro de casa – criticou o cartola.

Leia também:  Público reage e evita prejuízo para o União

O novo visual dos jovens do XV foi apresentado na estreia da Copinha, um empate por 1 a 1 com a Inter de Limeira, no Estádio Major Levy Sobrinho. Sete jogadores decidiram descolorir o cabelo aparentemente sem motivo.

– Após um treino alguém lançou de tingirmos o cabelo antes da competição e todo mundo aceitou. Alguns acabaram ‘pipocando’, mas quem sabe até o final o time inteiro não pintem – brincou o atacante Maycon, uma das esperanças da equipe.

A atitude não caiu bem em Piracicaba. A torcida fez críticas aos jogadores, e os comentários chegaram aos ouvidos de dirigentes. Com o respaldo do presidente Celso Christofoletti, o diretor de futebol Renato Bonfiglio reuniu o elenco antes da segunda rodada (derrota para o Corinthians) e exigiu a mudança. A bronca fez com que todos voltassem aos cabelos pretos.

Leia também:  União precisa vencer para ficar com título do sub-19

– Quem mandou tirar fui eu. Foi ordem minha e acabou. Jogador de futebol tem que ter cabelo normal. Você viu Pelé pintar cabelo, Messi pintar cabelo, Rivelino pintar cabelo? Não viu! Essa molecada deu dois ou três chutinhos na bola e já quer pintar o cabelo. Tem que se comportar como atleta. Enquanto diretor de futebol do XV, eu não permito que o profissional e a categoria de base fique pintando o cabelo – afirmou Bonfiglio, negando que esta seja uma atitude autoritária.

– Não é autoritário, é uma ordem que o jogador tem que cumprir. Você é funcionário e tem que acatar o que o treinador passar. Com o respaldo do presidente, falei que se não voltassem ao cabelo normal eles nem subiriam ao ônibus para vir até Limeira.
Funcionários do clube, os jogadores preferiram evitar atrito com toda a diretoria e simplesmente acataram a ordem. Também aprenderam é preciso um pouco mais de nome que ditar moda no mundo do futebol. Tal atitude não acontecerá mais, ao menos no XV de Piracicaba.

Leia também:  União faz resultado e fica com título no sub-19
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.