Foram dias de uma relação tensa. De um lado, os jornalistas faziam plantão na porta do hospital de Grenoble, França, em busca novidades sobre o estado de saúde de Michael Schumacher, do outro, a família buscava privacidade para que o heptacampeão possa se recuperar. Nesse meio tempo, houve jornalista que se vestiu de padre para tentar acompanhar uma cirurgia, discussão entre fãs da Ferrari e cinegrafistas, alguns atritos na chegada ao hospital e pedidos da assessora do ex-piloto para respeitar o espaço dos familiares. Foi então que nesta terça-feira, a esposa do ex-piloto, Corinna Schumacher, emitiu um comunicado clamando por trégua. No texto, ela pedia para que os deixassem a porta do hospital, para que a família, os médicos e Schumi pudessem se recuperar em paz do grave acidente de esqui em Méribel. O pedido parece ter tido efeito. Pouco tempo depois, os poucos veículos de imprensa que ainda seguiam em frente ao hospital começaram a se retirar.

Leia também:  Judoca brasileira vence adversária com 11 segundos e se torna a bicampeã mundial

– Em respeito a Corinna e a família, estamos indo embora. Mas de forma alguma estávamos pressionando a família. Estávamos aqui em busca de notícias de Michael, pois ele é um grande campeão e as pessoas querem saber como ele está – disse um jornalista inglês que preferiu não se identificar.

Outros veículos, por coincidência, já tinham se programado para deixar o local nesta terça-feira, como o jornal alemão “Bild”, que por se tratar da terra natal do ex-piloto, fez uma cobertura intensa e certas vezes polêmica, provocando alguns pronunciamentos da assessora do ex-piloto, inclusive.

Um ou outro jornalista seguiu no local. O estacionamento, onde dezenas de fotógrafos e cinegrafistas ficavam à espreita pela chegada e saída dos familiares estava vazio. No estacionamento destinado à imprensa, grande parte das empresas que alugavam sinal de transmissão arrumavam suas coisas, enquanto algumas poucas permaneceu com os equipamentos por lá.

Leia também:  Reway estará em jogo das eliminatórias da Copa do Mundo

Casos de traumas cranioencefálicos como o de Schumacher normalmente demandam longos períodos de recuperação. Ainda não há previsão para quando o ex-piloto possa ser tirado do coma induzido. O maior campeão da F-1 ainda tem um longo caminho pela frente em busca de mais uma conquista, sua total recuperação. Na frente do hospital, além de pacientes e familiares, restou apenas a faixa com os escritos: “Schumi, nossos pensamentos para você e sua família”.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.