O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) iniciou ontem (10) o 6º Congresso Nacional do movimento, no Ginásio Nilson Nelson. O encontro vai até sexta-feira (14). Com o tema Lutar, Construir Reforma Agrária Popular, 15 mil trabalhadores e trabalhadoras de 23 estados irão participar do congresso, além de 250 convidados internacionais, segundo os organizadores. O evento marca também os 30 anos de criação do MST. A história do movimento foi lembrada na abertura, com a participação de 1.500 militantes.

O principal objetivo do congresso é discutir e fazer um balanço da atual situação do movimento, traçar novas formas de luta pela terra, reforma agrária e transformações sociais, segundo Marina dos Santos, integrante da Direção Nacional do MST. Durante os quatro dias, serão debatidos os desafios de organização do movimento, o papel político dos assentamentos, a participação da mulher e dos jovens, ato político em defesa da reforma agrária e atividades culturais.

Leia também:  Falsa grávida é presa em flagrante com barriga de cocaína em rodovia de SP

Segundo Marina dos Santos, o congresso “também será uma oportunidade de reafirmar um novo programa da reforma agrária para o país: a Reforma Agrária Popular, já que o modelo de reforma agrária anterior está esgotado e não produz os efeitos desejados pelo movimento”. Ela disse que hoje existem 350 mil famílias assentadas em 1.200 municípios, “mas também há 90 mil famílias não assentadas vivendo em barracas e lutando pela terra”.

As delegações estão acampadas em barracas em frente ao ginásio, onde também estão estacionados dezenas de ônibus. Simultaneamente ao congresso, ocorre a Mostra Nacional da Cultura e Produção Camponesa para demonstração e venda dos alimentos produzidos pelos assentados, além de apresentações culturais. No mesmo espaço, ainda serão montadas 12 pequenas agroindústrias de beneficiamento, entre elas de erva-mate, cachaça e farinha.

Leia também:  Policiais reanimam bebê que perde a respiração após engasgar com leite materno

Na tarde de quarta- feira (12), haverá uma marcha em defesa da reforma agrária e uma festa em comemoração aos 30 anos do movimento. Para quinta-feira (13), está programado ato político pela reforma agrária, com a participação de movimentos sociais, intelectuais e partidos políticos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.