Para eles, a superação não tem idade. Os cabelos brancos escondidos na touca e a disposição dão o contraste na piscina. Por isso, uma turma de nadadores criou a Master Associação de Nadadores de Araxá (Mana) com o objetivo de incentivar a saúde e o esporte na cidade. Os associados são de todas as idades, mas quem se destaca são aqueles com mais de 50 anos. A aposentada Marília Cardoso, de 74 anos, é uma das atletas que mostram que o limite está na mente. A nadadora começou há 18 anos e entre os título mais queridos por ela está o ouro Campeonato Sul-Americano, em Belém do Pará, em 2010. Além disso, ela tem título brasileiro e também mineiros e regionais.

Leia também:  União volta a jogar sábado pelo Sub-19

– Ganhar medalha é bom, o exercício faz bem pra saúde, mas o que eu mais gosto é a convivência e conhecer atletas de toda a região – comentou.

Ela vai atrás de competições, e é nessas disputas que encontra com outros atletas e faz novas amizades, o que, de acordo com ela, faz toda diferença.

– Isso faz a gente distrair, descansa a cabeça. Muitas vezes, a idade vai chegando e a pessoa fica só em casa. E eu, com 74 anos, não quero parar, quero continuar nadando e conhecer muita gente – comentou.

Marília sempre foi ativa. Passou pelo vôlei, pela musculação, mas foi com um empurrãozinho da filha que ela acabou na piscina. E apesar de gostar da convivência com os atletas, ela acaba se surpreendendo.

Leia também:  Mixto, Dom Bosco e Cacerense viram adversários diretos do União na Copa Federação

– Eu nunca esperava ganhar medalhas. E depois que ganhei, se transformou em motivação. Aos poucos vamos conhecendo nossos concorrentes, o que acaba nos ajudando. Além disso, campeonatos sempre nos surpreende. A gente vê atletas de 90 anos e isso é um incentivo também – disse.

Assim como Marília, Djalma Castanheira Botelho, de 83 anos, também tem as raias de natação como companheiras. Ele nadou até os 56 anos e retornou às águas depois de 15 anos. E, segundo o nadador, não precisou de indicação médica pra isso.

– Voltei por conta própria, pois a natação só me ajudou. Desde saúde, até respeito pelo próximo. Pra mim, este é o esporte completo. Aos 83 anos, me sinto bem e continuo competindo – comentou.

Leia também:  Cuiabá Arsenal encara último rival da 1ª fase do brasileiro

Djalma também tem aqueles títulos mais importantes. Desde campeão mineiro, até campeão regional.

– Não encontro nenhuma dificuldade para nadar. Eu tenho troféus, medalhas e isso faz a gente ficar conhecido – contou.
A equipe agora se prepara para o II Campeonato Regional que irá acontecer neste fim de semana, no dia 26 de abril, em Uberlândia.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.