Cerca de 1% da população brasileira, ou seja, mais de dois milhões de pessoas, são portadores da artrite reumatóide. A doença autoimune que afeta as articulações e pode comprometer severamente o movimento das mãos é uma preocupação também da saúde pública municipal de Rondonópolis.

Para retirar todas as dúvidas possíveis, uma equipe técnica fará plantão no sábado (25) pela manhã no Centro de Especialidades e Apoio Diagnóstico Albert Sabin – Ceadas e uma palestra será proferida a partir das 8h para quem quiser saber mais sobre a enfermidade.

Quem vai ministrar as discussões é a reumatologista, atuante em Rondonópolis, Dr. Ângela Miranda. Ela comenta que uma grande dificuldade a ser abordada é que apesar de relativamente comum, a doença não é diagnosticada com a precocidade que deveria porque é confundida com outros problemas e pela baixa procura dos acometidos. “É uma inflamação das articulação, que apesar de não ter cura, tem tratamento bastante eficaz na rede pública. O quadro de risco na maior parte das vezes é de pessoas entre 30 e 50 anos, sendo a maior parte dos casos registrados em mulheres”, explicou.

Leia também:  Aula inaugural do Cursinho Pré-vestibular Zumbi dos Palmares é nesta segunda

A doutora pontua que as primeiras manifestações sistêmicas são a dor e inchaço das articulações, rigidez matinal por pelo menos uma hora, fadiga e perda de peso.

Segundo alguns estudos já publicados, acredita-se que a doença seja uma alteração do sistema imunológico, que passa a agir contra proteínas próprias do organismo. A pressa pela difusão da informação, especialmente a mais humilde, é sobre a necessidade de não titubear com qualquer manifestação aparentemente suspeita e procurar um profissional.

“Com a intervenção do reumatologista, é possível mudar o prognóstico e minimizar as deformidades, que são os atrofiamentos dos músculos das mãos e a limitação dos movimentos das mãos que podem ser irreversíveis”, alerta Ângela.

O tratamento, de acordo com a profissional, consiste em orientação e mudança de hábitos, medicações, reabilitação e em alguns casos, quando há sequelas, cirurgia.

Leia também:  Temporal deixa casas destelhadas, sem energia e uma pessoa ferida em Rondonópolis
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.