Cerca de 50 enfermeiros atuantes nas unidades de Estratégia de Saúde da Família – ESF – participaram, na manhã desta sexta-feira (14), de uma formação técnica sobre ‘Linhas de Cuidado para Pacientes Falciforme’, ministrada, no auditório da Secretaria Municipal de Saúde, pela hematologista e hemoterapeuta, Drª. Mariela Teodoro de Mello.

A ação da secretaria, segundo a gerente do programa de Atenção Integral as Pessoas com Doença Falciforme, Rosimeire Teles, visa popularizar situações peculiares ao traço falciforme em meio ao próprio público profissional.

“Apesar de ser extremamente antiga e já com relatos científicos de 100 anos atrás, a doença falciforme ainda é uma novidade para as pessoas e, também, aos profissionais. Em Mato Grosso, por exemplo, a inclusão do diagnóstico dela no teste do pezinho entrou apenas em 2010 e em muitos lugares do Brasil só ano passado. Aqui, em Rondonópolis, temos um programa onde desenvolvemos discussões sobre o tema, mas no restante do Brasil apenas as capitais têm”, evidenciou Rosimeire.

Leia também:  Morre aos 71 anos o Doutor Elmo Bertinetti em Rondonópolis

De acordo com o Ministério da Saúde, a cada ano o Brasil registra três mil nascimentos de crianças com a doença, mas a realidade pode ser muito maior do que isso, segundo a gerente do programa em Rondonópolis. “No interior nós não temos ideia do tamanho do problema. Em nossa cidade registramos sete novos casos, entre adultos e crianças, mas em outros centros nós simplesmente não sabemos”, relata.

Apesar de ser presente na formação genética de afrodescendentes, Rosimeire diz que uma das informações erradas a serem ultrapassadas é de que apenas pessoas com pele negra é que podem ser portadores do traço falciforme. “A anemia falciforme, que é um dos sintomas e talvez o mais importante da doença, pode acometer qualquer pessoa que tenha antecedentes com raízes africanas. Acontece que em um país miscigenado como o nosso, é possível dizer que apenas negros são afrodescendentes?”, indaga.

Leia também:  Campanha para atualização da caderneta de vacinação começa hoje em Rondonópolis

Características da doença

Em termos médicos, o traço falciforme caracteriza-se pela presença de hemácias, que são células transportadoras de gases, deformadas pelo corpo. Pode desencadear uma série de problemas e levar o paciente a hemorragia, descolamento retiniano, priapismo, acidente vascular cerebral, enfarte, calcificações em ossos com dores agudas, além de insuficiência renal e pulmonar, dependendo da fase de vida.
Nas mãos e nos pés, principalmente das crianças, podem haver tumefação, causado pela obstrução de vasos naquelas áreas, também acompanhado de dor. Diagnosticada mais facilmente pela anemia, o indivíduo portador da doença normalmente apresenta sintomas de fadiga, fraqueza e palidez. Se não tratada de maneira correta, a doença falciforme pode reduzir drasticamente a expectativa de vida do ser humano portador.

Leia também:  Mais de 900 vagas de emprego anunciadas pelo Sine, 91 são para Rondonópolis
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.