Um estudo japonês revelou na última quinta-feira (27) que o vapor dos cigarros eletrônicos possui 10 vezes mais substâncias cancerígenas do que um cigarro comum.

O dispositivo eletrônico, que tem tido uma crescente popularidade entre os jovens, converte em vapor a nicotina diluída em líquidos específicos. O produto apresentou substâncias cancerígenas nos vapores desses produtos, entre elas, o formaldeído – um composto também conhecido como formol-, acroleína, glioxal e também metilglioxal.

Segundo explicou o cientista, Naoki Kunugita, do Instituto Nacional de Saúde Pública do Japão, as taxas variam conforme a marca de um produto para o outro e até mesmo dentro da mesma marca dependendo da mostra.

“Em uma das marcas analisadas, a equipe de pesquisa encontrou um nível de formaldeído que chegou a 10 vezes mais que o registrado em um cigarro tradicional,” explicou Kunigita.

Leia também:  Diabetes: as novas táticas e tecnologias para o controle adequado

O cientista ainda ressaltou que quanto mais quente fica o fio que aquece o líquido, maior serão as quantidades dos agentes cancerígenos.

Os usuários dos cigarros eletrônicos no Japão são menos visíveis que os fumantes de cigarros tradicionais, porém a mudança do tabaco pelo vapor tem tido um fenômeno crescente, o que causa preocupação nas autoridades.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.