As famílias são o público-alvo das entidades de assistência social sem fins lucrativos no país, informou hoje (26) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na Pesquisa de Entidades de Assistência Social 2013. De acordo com o levantamento, 67,8% das organizações declararam ter as famílias como público-alvo.

Das 14.791 entidades pesquisadas, 10.024 se enquadram nessa situação. Entre as faixas etárias, a mais atendida é a de crianças até 12 anos (63,2%), seguida de adolescentes até 17 anos (59,1%) e dos idosos com 60 anos ou mais (56%).

O público menos atendido foi o de povos e comunidades tradicionais (8,3%). No fim da lista de público-alvo também estão os conselheiros e as lideranças populares (16,2%), os usuários de álcool e drogas (18,5%) e a população de rua (19,4%).

Leia também:  Hospital de Porto Alegre faz doação de pele para vítimas de creche de MG

A pesquisa também mostra que a área de atuação mais comum é a de assistência social, em 72,6% das entidades. Depois, bem distante, vem a área de educação, com 11% do total, que equivale a 162 entidades sem fins lucrativos. O Norte é a região com maior percentual (13,2%) de atuação das entidades ligadas à educação, enquanto o menor índice (8,4%) é registrado no Nordeste.

A atuação na área de saúde se dá em 4,7% das entidades, percentual que cai para 3,5% nas regiões Norte e Nordeste e chega a 5,6% no Centro-Oeste. As entidades com atuação na área de direitos humanos destacam-se na Região Norte, com 2,4%, contra 0,9% do Brasil, enquanto no Sul, a fatia das que atuam em cultura e esporte chega a 3%, contra percentual nacional de 1,6%.

Leia também:  Especialistas afirmam que implementação de base curricular no país é um desafio

Das entidades pesquisadas, 83,3% declararam que executam diretamente serviços socioassistenciais, e 65,3% encaminham para serviços públicos. De acordo com a pesquisa, 49,5% das entidades concedem benefícios financeiros ou produtos aos beneficiários, e 49,9% encaminham os usuários para programas de transferência de renda do governo.

O estado em que as entidades executaram mais serviços diretamente, no ano passado, foi Alagoas, com 89,3%, enquanto em Roraima, o percentual caiu para 50%.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.