A Justiça decretou a prisão preventiva de quatro dos envolvidos na operação “Edição Extra”, deflagrada pela Polícia Judiciária Civil, por meio da Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz), na quinta-feira (18), para apurar fraudes em licitação junto ao segmento de empresas do ramo de gráficas.

Os empresários Dalmi Fernandes Defanti e Fábio Defanti, donos da Gráfica Print, e  Jorge Defanti, proprietário da Gráfica Defanti, e o funcionário da Gráfica Print Alessandro Francisco Teixeira Nogueira, tiveram a prisão preventiva decretada neste domingo (21), pelo juiz plantonista Jamilson Haddad Campos, a pedido do promotor Marcos Regenold.

A prisão foi decretada de ofício com base em informações solicitadas pelo promotor a Delegacia Fazendária, do sumiço de provas da Gráfica Print. O promotor também alegou a obtenção de informações privilegiadas por parte dos investigados na vésperas da operação, tanto que nenhum dos quatro suspeitos foi preso na operação. Eles se apresentaram na sexta-feira (19), acompanhados de advogados, na Delegacia Fazendária.

Leia também:  Vila Rica | Gêmeos em bicicleta morrem atropelados por carreta

Os dois secretários adjuntos Eupídio Spiezzi, da Secretaria de Comunicação do Estado e  Jose de Jesus Nunes Cordeiro, da Secretaria de Estado de Administração, não tiveram a prisão preventiva solicitada pelo promotor. Os dois adjuntos foram soltos na sexta-feira (19), após interrogatório na Delegacia Fazendária.

O empresário Fábio Defanti também prestou interrogatório na sexta-feira e foi colocado em liberdade pela delegada da Liliane Murata. No entanto, ele teve a prisão novamente decretada e agora é considerado foragido. Policiais estiveram neste domingo na casa dele, mas o empresário não foi encontrado.

Os empresários Dalmi Defanti e Jorge Defanti e o funcionário Alessandro Nogueira estão presos no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC). Eles serão interrogados nesta segunda-feira (22).

Leia também:  Motoqueiro fantasma | Chacina deixa quatro mortos e outros feridos em Rondonópolis

Os empresários são suspeitos de superfaturamento de produtos gráficos para fornecimento ao Estado. As fraudes estão relacionadas ao  pregão nº 93 do ano de 2011 e o contrato de 2012, no valor de R$ 40 milhões. Desse pregão originou a ata de registro de preços utilizada pelo Estado para compra do material gráfico.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.