A Justiça decretou a prisão preventiva de quatro dos envolvidos na operação “Edição Extra”, deflagrada pela Polícia Judiciária Civil, por meio da Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz), na quinta-feira (18), para apurar fraudes em licitação junto ao segmento de empresas do ramo de gráficas.

Os empresários Dalmi Fernandes Defanti e Fábio Defanti, donos da Gráfica Print, e  Jorge Defanti, proprietário da Gráfica Defanti, e o funcionário da Gráfica Print Alessandro Francisco Teixeira Nogueira, tiveram a prisão preventiva decretada neste domingo (21), pelo juiz plantonista Jamilson Haddad Campos, a pedido do promotor Marcos Regenold.

A prisão foi decretada de ofício com base em informações solicitadas pelo promotor a Delegacia Fazendária, do sumiço de provas da Gráfica Print. O promotor também alegou a obtenção de informações privilegiadas por parte dos investigados na vésperas da operação, tanto que nenhum dos quatro suspeitos foi preso na operação. Eles se apresentaram na sexta-feira (19), acompanhados de advogados, na Delegacia Fazendária.

Leia também:  Dupla é presa por tráfico de drogas no Centro de Rondonópolis

Os dois secretários adjuntos Eupídio Spiezzi, da Secretaria de Comunicação do Estado e  Jose de Jesus Nunes Cordeiro, da Secretaria de Estado de Administração, não tiveram a prisão preventiva solicitada pelo promotor. Os dois adjuntos foram soltos na sexta-feira (19), após interrogatório na Delegacia Fazendária.

O empresário Fábio Defanti também prestou interrogatório na sexta-feira e foi colocado em liberdade pela delegada da Liliane Murata. No entanto, ele teve a prisão novamente decretada e agora é considerado foragido. Policiais estiveram neste domingo na casa dele, mas o empresário não foi encontrado.

Os empresários Dalmi Defanti e Jorge Defanti e o funcionário Alessandro Nogueira estão presos no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC). Eles serão interrogados nesta segunda-feira (22).

Leia também:  Colniza | Três pessoas são presas suspeitas de participação em assassinato de Prefeito

Os empresários são suspeitos de superfaturamento de produtos gráficos para fornecimento ao Estado. As fraudes estão relacionadas ao  pregão nº 93 do ano de 2011 e o contrato de 2012, no valor de R$ 40 milhões. Desse pregão originou a ata de registro de preços utilizada pelo Estado para compra do material gráfico.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.