O presidente da França, François Hollande, elogiou a ação das forças de segurança que resultou na morte de três suspeitos de terrorismo, pouco depois das 17h de hoje (14h no horário de Brasília). Dois deles atacaram, quarta-feira (7), o semanário satírico francês Charlie Hebdo e um fez cinco reféns, sexta-feira (9), em um supermercado judeu. Os dois atentados acabaram com 19 mortos e 20 feridos.

O líder francês pediu “vigilância” à população, ressaltando a necessidade de os franceses serem “cautelosos” neste momento, mesmo com a segurança reforçada no país. Após três dias do atentado ao jornal, Hollande disse que o país “enfrentou”, mas “ainda não pôs fim, às ameaças de que é alvo”.

Leia também:  Pedestres que atravessarem ruas olhando no celular serão multadas nos EUA

“A França, apesar de estar consciente de as ter enfrentado, apesar de saber que pode contar com as forças de segurança, com homens e mulheres capazes de atos de coragem e bravura, ainda não acabou com as ameaças”, enfatizou.

Como fez logo após o ataque à sede do semanário Charlie Hebdo, Hollande pediu unidade à nação. “Venho apelar para a vigilância, unidade e mobilização”, disse. O presidente ressaltou que a França deve rejeitar o racismo e o antissemitismo. Para ele, os responsáveis pelo atentado são “fanáticos” e “não têm nada a ver” com a religião muçulmana.

O líder francês agradeceu os gestos de solidariedade dos vários chefes de Estado e de populações de diferentes países e chamou os franceses a participarem da marcha marcada para a tarde de domingo (11), em Paris. A manifestação havia sido convocada imediatamente depois do atentado contra o jornal Charlie Hebdo.

Leia também:  Incêndio florestal se alastra em Portugal e deixa mais de 60 mortos e 59 feridos
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.