Com pouco mais de dois meses em operação, a empresa que administra o sistema de estacionamento na cidade faz uma avaliação do serviço e contabiliza, inclusive, todos os acertos que ainda devem ocorrer no sistema. “Nós entendemos as adequações que precisamos fazer, entendemos também que a cidade vive um momento de mudanças e adaptações, por isso treinamos nosso pessoal de externa para atender a todos com muita presteza”, avalia Bruna Catharina Sorrentino Pinto, diretora da empresa.

A princípio o Rotativo Rondon passou por uma adaptação para oficializar um período de tolerância de 20 minutos que teve de ser absorvido pelo sistema, o que exigiu uma mudança no software, que funciona diferente em outras cidades. Hoje esse problema está resolvido e os usuários que usam o cartão, o aplicativo no smartphone ou web site, têm 20 minutos para pequenas paradas, a cada duas horas. “Vale lembrar ao usuário que para garantir a restituição dos 20 minutos no smartcard ele deve aguardar o sinal do bip no parquímetro, o que comprova a finalização da operação”, recomenda a diretora do Rotativo.

Leia também:  BR-364 será interditada para detonação de rocha nesta sexta-feira (28)

“Outra questão que preocupa a empresa é o sinal da operadora. Todo o nosso sistema, isso é: a comunicação entre parquímetros e monitores, parquímetros e a central, ou mesmo as operações feitas pelo smartphone, tablet, enfim, tudo depende de um bom sinal de internet. Este é o maior desafio que enfrentamos no momento”, explica Bruna Catharina.

Uma das saídas que a empresa tem é cobrar da operadora a prestação do serviço com a qualidade que foi contratada. “Estamos em constante contato com a Anatel para tentar garantir o sinal de internet de qualidade em toda a região do Rotativo Rondon. Caso a operadora não conseguir melhorar o sinal, vamos para outra alternativa, trabalhar com várias operadoras, que ofereçam serviço de qualidade em determinada região. Assim poderemos garantir mais eficiência aos equipamentos e operações que o usuário precisa para usufruir do sistema de estacionamento rotativo na região central da cidade”.

Leia também:  Grupo define primeiras ações para retomada dos hospitais regionais

Com o apoio da maioria dos empresários que tem lojas no centro, com a satisfação de usuários que agora têm vaga para estacionar próximo ao serviço que procura, o Rotativo Rondon busca mais uma maneira de se tornar um sistema simples, apesar da complexidade da tecnologia utilizada. “Nos parquímetros o usuário segue os passos que aparecem a cada operação, fica fácil; nos postos de venda as pessoas também estão aptas a explicar como usar o estacionamento; temos 80 monitores devidamente treinados para atender e tirar dúvidas dos usuários; e, nos próximos dias vamos lançar uma cartilha informativa, com todas as maneiras de ficar legal com o estacionamento rotativo e com a cidade”, finaliza Bruna Catharina.

Leia também:  Santa Casa | Rondonópolis é a 2ª cidade no MT a realizar cirurgias cardíacas
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.