Os caminhoneiros voltaram a bloquear a Br-364/163 em Rondonópolis na manhã desta segunda-feira (27). Ontem (26) após um acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a rodovia foi liberada.

Mauro Zamim, representante caminhoneiros
Mauro Zamim, representante caminhoneiros

“Entramos em acordo com a PRF e resolvemos liberar a BR no domingo para que os caminhoneiros fossem para casa. Orientamos também para que eles não saíssem caso não quisessem permanecer parados” ressalta um dos representantes da categoria, Mauro Zamim.

A principal reivindicação da categoria é a aplicação de uma tabela de frete mínimo, de utilização obrigatória na negociação de preços de frete. O pedido não foi atendido pelo governo que publicou na sexta-feira (24) uma resolução instituindo o procedimento para elaboração da tabela referencial dos custos de fretes, porém, acenaram a tabela referencial, de uso facultativo, como solução para o problema. O governo alega que o uso da tabela obrigatória, é inconstitucional e que não há autorização constitucional para uma tabela impositiva.

Leia também:  FGTS | Caixa Econômica abrirá neste sábado para pagamento de contas inativas

Mesmo rejeitada pelos caminhoneiros, o governo manterá a tabela referencial como a melhor saída para estabelecer preços do frete. “Queremos uma tabela obrigatória” pontua Mauro.

O bloqueio deve permanecer por tempo indeterminado. Ainda conforme Mauro, alguns representantes dos manifestantes vão se reunir com o governo nesta terça-feira (28) para que seja discutida a resolução.

A rodovia amanheceu bloqueada - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
A rodovia amanheceu bloqueada – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

PRF

Conforme informações da PRF que se encontra no local, ainda não chegou nenhuma liminar expedida pela Justiça Federal de Mato Grosso – MT até Rondonópolis determinando a liberação das rodovias interditadas pelos caminhoneiros impedindo a realização de novos bloqueios.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.