Na pista, os pilotos se arriscam a 300 km/h. Fora delas, aproveitam uma vida de riqueza, glamour e badalações. É inevitável: o universo da Fórmula 1 sempre provocou e sempre provocará atração. Em entrevista à edição de maio da revista masculina “Playboy”, nas bancas nesta terça-feira, Felipe Nasr, estreante da categoria nesta temporada, comentou sobre suas impressões neste novo mundo. Perguntado se a história de que macacão “deixa mais bonito” procede, o brasileiro da Sauber confirmou que a fama da F-1 atrai mulheres e que os pilotos aproveitam sim o assédio:

– Isso acontece, confesso. Não tem jeito, faz parte do pacote de ser piloto – admitiu Nasr, que tem fama de galã entre o público feminino.

Leia também:  União empata com o Luziânia

Embora o romantismo da F-1 não seja o mesmo de décadas passadas em razão do aumento do profissionalismo da categoria, Nasr admite que os pilotos de hoje em dia mantêm os estilos mulherengos e “bon-vivants” dos pilotos dos anos 1970 e 1980. A única diferença é que, com o aumento do risco de exposição em razão das redes sociais, os competidores acabam sendo mais discretos.

– Hoje, por causa das redes sociais, nossas vidas são mais públicas. Todo piloto de F-1 tem um telhado de vidro muito maior: tudo o que faz ganha proporções enormes e histórias sempre aparecem, sejam verdadeiras ou não. Mas nada mudou – garantiu.

Leia também:  União perde em casa e dá adeus ao sonho da Série C

Com os títulos da Fórmula BMW europeia e da Fórmula 3 inglesa no currículo, Nasr também falou sobre as acusações de “piloto pagante”, que o atormentaram no início do ano creditando sua vaga na F-1 somente ao patrocinador que trouxe, mas se dissiparam rapidamente em razão das boas atuações logo nas primeiras provas. Nasr lembrou que grandes campeões da categoria também levam/levaram patrocínios para suas equipes:

– Já ganhei vários campeonatos, e essas críticas representam uma visão errada, até porque há muito tempo os pilotos chegam trazendo patrocínio, como Alonso, Vettel, Schumacher – finalizou.

No GP da Austrália, em março, Nasr se tornou o melhor estreante brasileiro na história da Fórmula 1 ao terminar em quinto em Melbourne. Após quatro etapas disputadas, ele é o oitavo colocado no campeonato com 14 pontos. Seu próximo desafio é o GP da Espanha no próximo fim de semana.

Leia também:  Holloway vence a luta contra José Aldo
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.