O líder da oposição na Venezuela Leopoldo López anunciou hoje (23) a suspensão da greve de fome que iniciou há 30 dias na prisão, como protesto para exigir a liberdade dos presos políticos e a convocação de eleições legislativas no país. A suspensão ocorre um dia depois de o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela marcar o pleito para 6 de dezembro.

“Esse protesto não é para morrer, mas para que todos os venezuelanos possam viver dignamente”, escreveu Leopoldo López em uma carta que foi lida aos jornalistas, em Caracas, por sua mulher, Lilian Tintori, e na qual pede que 103 pessoas encerrem a greve de fome. López pediu que todos “aceitem com humildade” o pouco que foi conseguido.
“As forças democráticas estão mais preparadas que nunca para esta batalha. Vou me recuperar e continuarei a lutar por uma Venezuela melhor. Juro que jamais vou me render, quem se rende perde”, afirmou o líder oposicionista.

Leia também:  Tufão faz desmoronar milhares de casas e deixa mais de 60 mortos no Vietnã

O recurso à greve de fome como forma de protesto foi usado por Leopoldo López, líder do partido Vontade Popular, e pelo presidente da Câmara Municipal de San Cristóbal, Daniel Ceballos, que estão presos. Outros opositores e um grupo do Juventude Ativa Venezuela Unida também se uniram ao movimento.

Um grupo de estudantes anunciou, entretanto, que manterá a greve de fome até conseguir a liberdade para vários políticos que estão presos.

Leopoldo López, de 42 anos, está preso sob a acusação de incitamento à desordem pública, associação criminosa, atentados à propriedade e incêndio, na sequência das manifestações de contestação à política do presidente Nicolás Maduro, que terminaram em violência, no início do ano passado.

Leia também:  Advogada é a primeira transexual assumir o cargo de senadora no Uruguai
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.