Cacique e vereador falam sobre o carro roubado - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Cacique e vereador falam sobre o carro roubado – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

“Foi um mal intendido, pois o carro era meu”, foram as primeiras palavras ditas pelo índio Xavante, Graciliano Aedzane Pronhopa, Cacique da Aldeia São Francisco, em Poxoréu, com relação ao carro roubado que foi apreendido pela Polícia Judiciária Civil (PJC) anteontem (17). O vereador Agnaldo Santos (PMDB) e o índio visitaram a redação do Site AGORA MT, para esclarecer a confusão.

De acordo com Graciliano, ele comprou o veículo no fim de 2010, na cidade de General Carneiro e afirmou que não sabia que o Fiesta era produto de roubo, mas admite que sabia que o carro era alienado.

“Paguei 12 mil nele e me venderam como se fosse finan. Na época da campanha ele acabou dando problema no motor e eu deixei na porta da casa do pai do vereador e sempre íamos lá para tentar arrumar ele”, argumentou o cacique.

Leia também:  Nos bastidores, Pátio prepara mudanças no secretariado

Essa mesma versão já foi dada na Delegacia de Primavera do Leste.

Já o vereador Agnaldo diz que teve seu nome envolvido nesta confusão, por questão política.

“Eu não tenho vínculo nenhum. Com certeza é coisa do grupo da prefeita tentando denigrir minha imagem”, finalizou o parlamentar.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.