Uma propriedade que fica na zona rural, região das Três Pontes de Rondonópolis foi interditada para passar por processo de saneamento após identificação de três casos de mormo no local. No mês de maio foi confirmada a ocorrência da mesma doença em uma égua, que foi sacrificada na mesma propriedade. O caso foi identificado pelo Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea/MT).

As informações são de que os novos casos foram detectados depois que os técnicos interditaram a fazenda, coletaram amostras de sangue de todos os 27 animais que tiveram contato com a fêmea doente, sacrificada no início de maio.

Em forma de evitar que a doença seja transmitida para animais de outras propriedades, o local foi interditado e os animais sacrificados.

Leia também:  Festrilha 2017 supera expectativas e atrai mais de seis mil pessoas em Rondonópolis

OUTROS CASOS

De acordo com o Indea, há suspeita de que um animal em outra propriedade no município também tenha a doença. A propriedade está interditada até que sejam recebidos os resultados dos exames enviados ao Lanagro.

No Estado, são 18 propriedades com focos da doença confirmados. De maio de 2014 a 1º de julho, 27 animais já foram sacrificados.

Na última semana, em 24 de junho, uma égua foi sacrificada em uma fazenda no município de São José do Povo (MT).

MORMO

O Mormo ou lamparão, é uma doença infecto-contagiosa dos equídeos, causada pelo Burkholderia mallei, que pode ser transmitida ao homem e também a outros animais. Manifesta-se por um corrimento viscoso nas narinas e a presença de nódulos subcutâneos, nas mucosas nasais, nos pulmões, gânglios linfáticos, pneumonia, etc. Os animais contraem o mormo pelo contato com material infectante do doente: pus; secreção nasal; urina ou fezes.

Leia também:  Agosto Dourado | Hora do Mamaço: É preciso valorizar o aleitamento materno
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.