A 2ª edição do Confronto de Ideias trouxe visões completamente antagônicas sobre a importância do agronegócio para Mato Grosso. O deputado federal Adilton Sachetti (PSB) e o deputado estadual Zé Carlos do Pátio (SDD) se enfrentaram na noite de ontem (01) e elevaram a temperatura do debate, que na sua 1ª edição teve como convidados os deputados federais Nilson Leitão (PSDB) e Ságuas Moraes (PT) .

O debate atingiu o ápice esperado pela maioria dos telespectadores e internautas quando o deputado Zé do Pátio atacou as tradings [empresas que atuam na comercialização de commodities] sugerindo inclusive a prisão dos empresários do setor, pois segundo Pátio, essas empresas fazem reféns de um sistema injusto de negócios, os produtores rurais de Mato Grosso .

Reconhecido como líder do agronegócio no Brasil e até no exterior, Sachetti rebateu o discurso de Pátio, “O senhor me desculpe, mas isso é uma grande besteira… As tradings são fundamentais para a economia de Mato Grosso e os produtores são livres para viabilizarem e comercializarem sua produção da forma que desejarem”, argumentou Adilton.

Leia também:  Ministro Edson Fachin separa investigação sobre Temer e Aécio Neves no STF

Quando o assunto foi os incentivos fiscais para o setor, o tema também acabou virando ponto de discórdia entre os dois parlamentares. “Os recursos perdidos com a desoneração propiciada pela Lei Kandir dariam um orçamento do Estado de Mato Grosso”, avaliou Pátio. “O agronegócio deve sim pagar mais impostos, pois o que temos hoje é um estado rico, mas com um povo pobre; e uma renda altamente concentrada”, criticou.

Sachetti, por outro lado, explicou que, quando a lei foi criada, não havia viabilidade para se produzir no Estado e que ela foi fundamental para impulsionar a economia de Mato Grosso. Ele lembrou que ainda hoje as dificuldades logísticas prejudicam o agronegócio, que também sofre com a falta de melhor infraestrutura.

Leia também:  Grampos ilegais levam Paulo Taques para a cadeia

“Mas não tenho dúvida que Mato Grosso será o Estado mais rico na nação”, disse Adilton. “Nós temos 90 milhões de hectares, dos quais hoje utilizamos apenas de 30% a 40% para o agronegócio; ou seja: há um enorme potencial a ser explorado”, complementou, defendendo a manutenção da isenção.

O Confronto de Ideias é uma iniciativa do Instituto Mark, que é dirigido pela empresária Bárbara Pinheiro e segundo a diretora mais uma vez o debate cumpriu sua função. “Dessa forma o público, em casa, pode avaliar e tirar suas próprias conclusões, amadurecendo seu pensamento crítico”, comentou.

Além do Instituto Mark, o Confronto de Ideias também partiu da iniciativa do Instituto Mato-grossense de Altos Estudos (IMAE), em parceria com a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Mato Grosso (FCDL-MT) e Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá (CDL). Além disso, ganhou força por meio de um grupo do aplicativo WhatsApp, intitulado “GW 100+”, formado por políticos, jornalistas, cientistas políticos, empresários e demais formadores de opinião de Mato Grosso e teve transmissão ao vivo pela TV Band Mato Grosso (Canal 12) e pelo site AGORA MT.

Leia também:  Thiago Muniz cobra prolongamento da Avenida Otaviano Muniz
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.