Foto : Reprodução
Poster do Filme – Foto : Reprodução

Que Nelson Rodrigues foi um grande escritor, não se discute. Excelente dramaturgo e cronista sagaz, formou em suas obras um pensamento em que a provocação e o confronto são constantes. Muitas delas foram adaptadas para o cinema, mas poucas com ótimos resultados: ‘Boca de ouro’ (Nelson Pereira dos Santos, 1962), ‘A falecida’ (Leon Hirszman, 1965), ‘Toda nudez será castigada’ (Arnaldo Jabor, 1973).

Recém-separado e prestes a lançar ‘Bem casados’, Alexandre Borges só tem alegrias na profissão
São histórias de amor e traição, assassinatos passionais, todo um arsenal do desespero amoroso – de preferência, do homem suburbano. O que nos leva à pergunta: como seria uma adaptação de Nelson nestes tempos em que tudo pode ser ofensivo, mas nada mais parece chocar?

Leia também:  Rico e Lázaro | Amitis e Evil-Merodaque se espantam com o estado do rei

‘Ninguém ama ninguém (por mais de dois anos)’, dirigido por Clovis Mello e produzido por Nelson Rodrigues Filho, que está em cartaz nos cinemas, é a resposta. Trata-se da adaptação de cinco contos da série ‘A vida como ela é….’ Cinco casais enfrentam problemas de um “comichão dos dois anos”, para homenagearmos Billy Wilder (o nome original de ‘O pecado mora ao lado’, The seven year itch, pode ser traduzido como “comichão dos sete anos”).

Você já ouviu esse papo de que ninguém ama ninguém por mais de dois anos? Não? Então você precisa dar uma espiadinha no trailer desse filme. #NinguémAmaNinguém Um filme de Clovis Mello. Com: Gabriela Duarte, Marcelo Faria, Ernani Moraes, Michel Melamed, Lidi Lisboa, Julianne Trevisol, Julia Lund, Branca Messina, Pedro Brício, Antônio Fragoso, Thelmo Fernandes e Eduardo Cravo. Atriz convidada: Luana Piovani Oficial.

Leia também:  Rico e Lázaro | Dana confessa ter sido violentada e é defendida por Absalom

Temos a moça fogosa que pretende ter um caso fora do casamento, a mulher que é apaixonada pelo melhor amigo do marido, o gerente de um bar que acredita na pureza de sua mulher moribunda.

O potencial explosivo dos contos nem sempre encontra sua melhor tradução. O melhor é o da moça fogosa, muito pela interpretação apaixonada de Branca Messina. O casamento de um homem (Marcelo Faria) e uma jovem tirana (Julianne Trevisol) poderia render mais. Mas a cena de sexo com a empregada é muito publicitária, e a revelação chocante não tem a força que deveria ter.

A pior história é a do homem que vende a mulher para pagar as contas. O desfecho salva (apesar de o mérito ser mais de Nelson), mas, sempre que o casal aparece na estrutura fragmentada, o desinteresse parece tomar conta de nós. (Folhapress)

Leia também:  Rico e Lázaro | Belsazar retorna ao palácio da Babilônia e surpreende a todos
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.