A relação de Felipe Massa com a torcida no Brasil tem dois lados. Em Interlagos, o brasileiro incendeia as arquibancadas – a apoteose do pódio do ano passado, quando houve até invasão de pista, serve como exemplo. Por outro, recebe críticas pela Internet – a maioria ofensiva, muitas pesadas. Perguntei como ele lida com esta dualidade.

“Lógico que eu vejo as pessoas falando mal, criticando. Na Internet é fácil criticar. Mas não é algo vá me afetar. Eu até leio às vezes o que escrevem sobre mim para dar risada. O que eu levo é o lado positivo, a força extra que eu sinto correndo em Interlagos diante da torcida”, respondeu o piloto da Williams.

Leia também:  Federação e clubes definem detalhes da Copa FMF

O desprezo de Massa não está pela crítica em si, mas pelo fato da maioria dos comentários serem exagerados na sua opinião. “Acabam esquecendo que estou na categoria mais importante do automobilismo há tantos anos, com muitas vitórias e pódios. Se eu fosse mal como algumas pessoas falam, nenhuma equipe de Fórmula 1 me pegaria. Se um piloto é ruim, jamais correria oito anos pela Ferrari”, argumenta.

O piloto acredita também que os críticos não correspondem à maioria dos torcedores. E cita justamente o apoio que recebe no GP do Brasil como prova disso. “No ano passado em Interlagos – com o barulho do motor mais baixo, dava para ouvir as pessoas vibrando a cada vez que eu passava. Então será que é assim mesmo, que as pessoas só pensam dessa maneira negativa”, questiona.

Leia também:  1º Campeonato de Futebol Amador é suspenso temporariamente

Para o brasileiro, correr em casa o estimula, até porque sua relação com Interlagos é especial. Ele já subiu ao pódio do GP do Brasil em cinco ocasiões, com duas vitórias, um segundo e dois terceiros lugares. “Sempre dá um frio na barriga. Há mais pressão, mas é impressionante como, correndo em casa, a energia que você consegue absorver faz efeito positivo. Minha carreira ainda não acabou, mas sou um piloto com duas vitórias, o mesmo de Emerson Fittipaldi e Ayrton Senna no Brasil. Também consegui vários pódios. Para mim, é um lugar muito especial e importante. Cresci andando naquela pista e com certeza conheço segredos ali que outros pilotos não conhecem”, garante.

Leia também:  Com a demissão de Ceni, São Paulo vai completar 16 técnicos em 8 anos
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.