Secretaria de saude reune a imprensa para fala de microcefalia.Foto:Varlei Cordova/AGORAMT
Secretaria de saude reune a imprensa para fala de microcefalia.Foto:Varlei Cordova/AGORAMT

A Secretaria Municipal de Saúde divulgou na tarde desta segunda-feira (25), durante coletiva de imprensa, o número de casos suspeitos de microcefalia em Rondonópolis. De acordo com a secretária de saúde, Marildes Ferreira, de 75 casos suspeitos que foram avaliados, 17 foram descartados.

“O que nós temos hoje são 75 recém-nascidos com suspeitas de microcefalia, todos esses bebês com medidas inferior ou igual 32 cm, foram avaliados e reavaliados. Destes, 17 já foram descartados, não estão com microcefalia. Agora temos 58 recém-nascidos para ser avaliados e reavaliados,” informou Marildes.

Desses números, segundo a secretaria, foram colhidos material (sangue) de oito recém-nascidos e encaminhados a um laboratório em São Paulo, dos quais cinco deram negativos e não apresentaram nenhum reagente de dengue, zika vírus ou chikungunya.

Leia também:  Desfile de 7 de Setembro terá reforço com mais de 3 mil desbravadores

“Então nós não podemos afirmar nesse momento que algum caso de microcefalia em Rondonópolis esteja relacionado com Zika. Mas assim, como explicou nossos médicos, são exames preliminares e que existem outros exames, que o Ministério da Saúde ainda não determinou,” informou a secretaria.

Larissa Fonseca dos Santos.Foto:Varlei Cordova/AGORAMT
Larissa Fonseca dos Santos.Foto:Varlei Cordova/AGORAMT

De acordo com a médica Larissa Fonseca, apesar dos resultados serem negativos, eles não podem ser considerados como finais.

 “Esses números não são fieis, o teste que atualmente está disponível para a zika ele vê a presença no momento do vírus. O teste não mostra se o bebe já teve o contato com o vírus. No momento que ele nasce, a mãe que contraiu o vírus no 1º trimestre de gestação, o bebê já não está com o vírus, ele está com a sequela do vírus, por isso o teste dá negativo, mas isso não quer dizer que essa mulher não teve zika.

Leia também:  Acontece em Rondonópolis o 2º Encontro de Gestão de Cozinhas

Durante a coletiva foram apresentados dois ambulatórios que tem como objetivo acompanhar as gestantes com sintomas do zika vírus e os bebês com suspeitas de microcefalia.

Ainda será ofertado um curso de capacitação para enfermeiros e médicos da Rede, no dia 04 de fevereiro, na Câmara Municipal.

A secretaria ainda descartou que no município de Rondonópolis tenha uma epidemia das doenças dengue, zika e chikungunya. De acordo com a secretaria, neste mês, foram registrados três casos de dengue, sendo o bairro Sagrada família, registrado como maior índice de infestação do mosquito aedes aegipty.

“Nosso maior problema são as casas que encontramos fechadas. Apesar destes dados, não estamos descartando que o cidadão tenha atenção e cuidado, vamos intensificar nossas ações no intuito de combater o mosquito da dengue,” disse a secretaria.

Leia também:  MPE e parceiros realizam 5ª etapa de limpeza do Ribeirão Arareau nesta sexta
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.