vereador Thiago Silva - Foto: assessoria
vereador Thiago Silva – Foto: assessoria

O vereador Thiago Silva (PMDB), apresentou na Câmara Municipal um projeto de lei que cria o programa de Economia Criativa na cidade. “O objetivo do projeto é que o município incentive a economia criativa, mediante planos e ações que fomentem a formulação, a implementação e a articulação das ações relacionadas ao processo de criação, de produção, de comercialização e de distribuição de bens e serviços oriundos da criatividade humana e da aplicação de capital intelectual”, explicou.

De acordo com o autor do projeto, a proposta sendo aprovada será um incentivo para a economia local, tornando-a norteadora das atividades voltadas aos benefícios que venham a contribuir para o desenvolvimento das práticas sustentáveis e inovadoras.

“A economia criativa está no topo da pirâmide econômica em função de seu imenso valor agregado. Trata-se de uma atividade diferenciada, que tem como matéria prima o conhecimento, as ideias e o pensamento criativo. Por isso, os profissionais recebem remuneração bem acima da média do mercado”, informou.

Leia também:  Ex-prefeito de Diamantino é condenado por nepotismo

Para o vereador Thiago, esse projeto chega para acrescentar muito ao município de Rondonópolis. “Nossa cidade apresenta fortes características empreendedoras e inovadoras, as quais precisam ser exploradas. Alguns países têm recorrido à economia criativa para fins de revitalização do crescimento socioeconômico, além de fomentar a inovação, e iniciativas como essa devem fazer com que Rondonópolis trilhe o mesmo caminho”, salientou.

Pelo projeto apresentado, o espaço para discutir a pauta da Economia Criativa será o Conselho Municipal da Economia Criativa, que congregará instituições da sociedade civil organizada e servidores efetivos do Poder Público Municipal.

“A união dessa mentalidade de vanguarda, com as novas ferramentas legais dispostas no Projeto de Lei, somando-se a um conselho específico para debater e promover a Economia Criativa colocarão Rondonópolis como protagonista no cenário nacional da criatividade”, concluiu Thiago Silva.

Leia também:  Deputado Gilmar Fabris é afastado e PF cumpre mandado de prisão

Economia Criativa

A ONU entende como Economia Criativa “aquelas que utilizam a criatividade e o capital intelectual como principais insumos, compreendendo um conjunto de atividades baseadas no conhecimento que produzem bens tangíveis e intangíveis, intelectuais e artísticos, com conteúdo e valor econômico. Dados do Plano da Secretaria de Economia Criativa do Ministério da Cultura dão conta de que, no Brasil, a participação do setor criativo representa mais de 3% do PIB nacional, com crescimento médio de 6% ao ano.

A edição especial do Relatório de Economia Criativa 2013, elaborado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), destaca que a economia criativa se tornou em uma poderosa força transformadora no mundo de hoje.

Leia também:  População define infraestrutura como prioridade nos debates da LDO

É um dos setores que está crescendo mais rápido no mundo econômico, não apenas em termos de geração de renda, mas também na criação de empregos e em ganhos na exportação. Segundo a publicação, criatividade e inovação humana, tanto individual quanto em grupo, se tornaram a verdadeira riqueza das nações no século 21.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.