A Secretaria Municipal de Saúde recebeu os resultados dos exames destinados a investigar as causas da síndrome respiratória aguda grave, que até o momento contabilizava 57 casos. Depois das avaliações laboratoriais realizadas pelo Instituto Adolfo Lutz (SP) e Hospital Libanês (SP), sete casos foram descartados e cinco confirmados para H1N1.

Quanto aos quatro óbitos em investigação, em um caso já foi descartado para H1N1 e os demais seguem em investigação. O município segue em alerta principalmente neste período de baixa na temperatura, pois no inverno é que acontecem os surtos da síndrome gripal.

Encontra-se internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica do Hospital Femea de Cuiabá uma criança de 11 anos que apresentou os sintomas de síndrome respiratória aguda após uma viagem, ou seja, o caso provavelmente é “importando”, mas a manifestação da doença aconteceu em Rondonópolis. Os demais pacientes passam bem.

Leia também:  Estudantes de Rondonópolis conquistam ouro em disputa mundial de educação

De acordo com a enfermeira da Vigilância Epidemiológica, Lizziane Campos Silva, é preciso estar alerta aos sintomas da doença, afinal a medicação correta influencia diretamente na recuperação do paciente.

A enfermeira explica que dor nas costas, dificuldades para respirar, e tosse são sintomas que devem ser observados, e a procura de um médico é essencial.

“Manter a higiene das mãos, fazer o uso do álcool em gel e evitar local de grandes aglomerações de pessoas são importantes cuidados para prevenir a doença”, explica a enfermeira.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.