Foto:  Yuriko Nakao BLOOMBERG / Bloomberg/Yuriko Nakao
Foto: Yuriko Nakao BLOOMBERG / Bloomberg/Yuriko Nakao

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) informou na última quarta-feira (31) que o número de mortes por câncer de pulmão entre homens caiu de 18,5 por 100 mil em 2005 para 16,3 por 100 mil em 2014. Esta é a 1ª vez que a taxa de mortalidade apresenta queda.

Segundo o Instituto, que fez o levantamento com base nos dados do Ministério da Saúde e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o resultado é decorrente das campanhas de redução de tabagismo feitas no Brasil há cerca de 30 anos, como o aumento de impostos, a proibição da propaganda e a Lei Antifumo.

Com a ação, foi possível reduzir de 40% de fumantes do final da década de 80 para menos de 13%. “Menos de 13% dos brasileiros são fumantes e a OMS considera o programa contra o tabagismo do Brasil um dos mais bem-sucedidos do mundo, somos medalhistas de ouro nessa área”, segundo informou o vice-diretor Luiz Felipe Ribeiro Pinto.

Leia também:  Conheça os sintomas e as consequências do TDAH - Transtorno de Décifit de Atenção com Hiperatividade

Os dados apontam que 90% dos homens com câncer de pulmão fumaram em algum momento da vida. A estimativa que a doença demore cerca de 20 anos para desenvolver.

Dia Nacional de Combate ao Fumo

Na terça-feira (30) foi comemorado o Dia Nacional de Combate ao Fumo e o país tem muito a celebrar. Segundo o Inca, em 10 anos, houve uma redução de 33,8% de fumantes adultos no Brasil. Um dos caminhos que deverá ser adotado para reduzir ainda mais esse número é dar continuidade à política de aumento dos preços do cigarro.

Segundo o inca, No Brasil, dados de 2013 apontam que o câncer de pulmão é o que mais mata entre homens e o segundo que mais mata mulheres.

Leia também:  Lugol: o uso indiscriminado pode destruir a tireoide
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.