Reprodução
Reprodução

As pesquisas realizadas pelo Instituto de Zootecnia (IZ) do estado, com sede em Nova Odessa (SP) e Americana (SP), foram prejudicadas após o furto de 44 novilhas da unidade. Os animais levados na última sexta (7) são fêmeas com idade entre um e dois anos e estão em fase de reprodução. O rebanho era usado em estudo de seleção genética para produção de um tipo de leite que não causa alergia e é saudável ao consumo humano.

O prejuízo estimado, em dinheiro, pelo Centro chega a R$100 mil. Um inquérito foi aberto pela Polícia Civil de Nova Odessa e investiga o crime. Segundo cientistas do Instituto, parte do rebanho furtado tem a genética apropriada para produzir o leite e entraria em reprodução nos próximos meses.

Leia também:  Estudantes são vítimas de sequestro e estupro ao saírem de universidade

“A geração de bovinhos é demorada e se leva até quatro anos para se formar uma”, disse o pesquisador do Centro, Enílson Geraldo Ribeiro. “Nós praticamente perdemos essa geração e nossa pesquisa volta a estaca zero”, lamentou. O estudo, de acordo com ele, será atrasado em um ano, pelo menos.

O rebanho das raças jersey, girolanda e holandesa foi levado de pastagem de uma fazenda de 860 hectares. O pesquisador contou que os suspeitos arrombaram o cadeado de uma das porteiras de entrada da fazenda. “Eles estavam em um caminhão, encostaram o veículo no embarcador e levaram as vacas”, disse.
Ribeiro ressaltou que novilhas são dóceis e, por isso, os criminosos não tiveram dificuldades para embarcá-las no caminhão.

Leia também:  Por denúncia anônima, Polícia apreende mais de uma tonelada de droga no RJ
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.