Uma jovem de 26 anos morreu na terça-feira (6) ao tentar fazer um aborto clandestino, em Porto Murtinho, a 443 quilômetros de Campo Grande. Segundo a família, a Aline Franco morava na capital sul-mato-grossense e viajou com uma amiga para fazer o precedimento. A suspeita de aborto clandestino é investigada pela polícia.

A mulher teria passado mal, foi levada para o hospital da cidade e morreu em uma ambulância a caminho de Campo Grande. Ela tinha outros dois filhos. A mãe da vítima, Helemary Fátima dos Reis, disse ao G1 que o velório da filha foi interrompido pela polícia para que o corpo fosse levado para exame necroscópico depois da suspeita de abordo clandestino.

Leia também:  Bandidos sequestram ambulância com equipe médica para socorrer traficante
Imagem: morta ao fazer aborto
Foto: Reprodução/Facebook

A mãe da vítima disse ao G1, nesta quinta-feira (8), que recebeu a ligação de uma mulher contando que Aline estava grávida há dois meses e teria viajado para fazer um aborto em Porto Murtinho. A jovem teria passado mal durante o procedimento e foi levada para o hospital da cidade.
Uma amiga da Aline, que mora no município e acompanhou a grávida, contou aos médicos que a jovem teria passado mal por causa do calor e não relatou nada sobre o aborto. O estado de saúde dela piorou e o hospital pediu transferência de urgência para Campo Grande.

De acordo com o boletim de ocorrência registrado pela mãe, a jovem teria morrido na ambulância, quando estava sendo transferida. Ainda segundo a família, o velório estava sendo realizado na capital sul-mato-grossense, quando a polícia chegou ao local e determinou que o corpo fosse encaminhado para o Instituo de Medicina e Odontologia Legal (IMOL). Os resultados dos exames devem apontar a causa da morte.

Leia também:  Motorista é preso e mais de 2 toneladas de maconha é apreendida em carga de milho

O G1 entrou em contato com o hospital da cidade de Porto Murtinho e foi informado, que hoje é feriado na cidade e por isso não teria nenhum responsável da unidade para falar com a imprensa.
O caso foi registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) do Centro de Campo Grande como morte a esclarecer e será investigado.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.