Imagem: revolver
Foto: ilustrativa

Bom dia, boa tarde, boa noite, boa madrugada, que bom que vocês estão “aqui” de novo, o mundo tem mudado tão depressa que é bom ver que alguns hábitos continuam.

Essa semana o ex juiz e agora ministro Sérgio Moro, apresentou um projeto de lei que tem como objetivo retirar certos entraves no processo penal que fazem com que o processo seja muito duro contra o ladrão de galinhas, a puta e o pobre, e permite que o criminoso com dinheiro tenha muito mais chances de escapar a uma condenação penal.

O projeto mal foi apresentado e já sofreu mudanças, e críticas, os pessimistas pensam agora que o estado terá permissão para matar.

Mas é inegável que foi notícia a semana inteira  e criou muita polêmica no mundo jurídico, não há dúvidas que a população apoia o projeto, mas isso tem que ser visto com cautela, porque a população em um julgamento antigo e famoso, quando perguntada quem deveria ser solto, Jesus ou Barrabás, escolheram a pessoa errada lembram?

O  anteprojeto de lei tem 34 páginas, a maioria das pessoas mesmo no mundo jurídico não leram, tem opinião de ouvir falar, ou opinião ideológica sobre o tema, como muito dos pontos do projeto de lei são técnicos, essa coluna vai colocar para vocês em linguagem simples o que realmente é esse projeto que pretende ‘estrangular’ o crime organizado e a corrupção no país.

Primeiro em palavras simples, entender o que é um anteprojeto de lei, este que foi apresentado, em entrevistas a imprensa e aos governadores não é uma lei ainda, e pode nunca se tornar uma lei, é uma proposta para que os deputados criem um projeto de lei, que um dia será votado na Câmara Federal e depois no Senado,  para então depois do presidente assinar virar lei.

Leia também:  Bolo de chocolate de liquidificador

Este anteprojeto altera uma série de leis, desde o código penal ( que diz o que é e não é crime), o código de processo penal ( que diz como o crime deve ser apurado e o réu julgado)  e uma série de outras leis que querem na visão do seu autor o ministro combater a corrupção e destravar alguns gargalos.

Que é uma espécie de funil, onde o processo chega, e quem tem dinheiro e contrata um bom advogado acaba manobrando pelo processo com muito mais liberdade.

O texto do anteprojeto é bem didático e professoral, diz logo no seu artigo primeiro que são medidas contra a corrupção e o crime organizados, além dos crimes praticados com grave violência a pessoa.

Vamos chegar ao ponto de matar ou não matar, e se o projeto dá licença para o estado matar as pessoas, através de suas Polícias.

Mas antes vamos ver algumas coisas interessantes.

O projeto prevê logo de cara a possibilidade e regra de o condenado ser preso depois da segunda instância, que é quando ele é julgado por uma turma de super juízes no tribunal e não mais no fórum.

Depois o projeto passa a falar sobre a imediata venda dos bens das pessoas que forem presas, quando o juiz determinar a o perdimento desses bens, que acontece quando os bens são produtos vindos direto do crime.

O estado cobrará mais efetivamente multas dos criminosos, dando 10 dias para pagar ou oferecer bens, podendo agora “sujar” o seu nome e mesmo tomar bens que não vieram do crime para pagar multa.

Há também medidas para aumentar a efetividade do Tribunal do Júri, a principal e que mais agrada a população é que se condenado, o Juiz pode mandar prender o réu, se este estivesse solto, imediatamente, não importando os recursos.

Leia também:  Review fones tws i7 | Agora Tech

Outra coisa, os julgamentos acontecerão muito mais rápido, porque a pronúncia, que é quando o juiz manda o réu para ser julgado no Tribunal do Júri, agora não teria mais efeito suspensivo, ou seja enquanto você vai recorrendo, vai sendo julgado pelo júri da mesma forma.

Mas e aí, a polícia estaria autorizada a matar sim ou não?

Calma, quem estiver muito curioso pode ir direto a esta parte, mas ainda vamos falar de algo que parece dar certa credibilidade ao projeto.

Há um recurso chamado embargos infringentes, que é quando um dos super juízes em segunda instância ( tribunal) discorda do réu ser culpado, esse recurso evita que o réu seja preso imediatamente, o que parecesse sensato e fortalecer ainda mais que após condenado nessa instância o réu possa ser preso, porque foi analisado por um grupo de juízes, e não um só.

Pronto agora vamos falar se as policias estão autorizadas a matar ou não, já falei aqui uma vez que a própria lei lhe permite matar em certas circunstâncias, fui muito criticado, e algumas autoridade pensaram em me processar por incitação ao crime, mas desistiram.

O que o projeto de lei faz, é aumentar o alcance da legítima defesa, existe no Código Penal a figura do excesso, que é quando para se defender você usa mais força que o necessário, vamos dizer que uma mulher está sendo estuprada, retira a faca do seu agressor e lhe dá uma facada na coxa, ele contraído pela dor abandona seu intento, mas a mulher passa a continuar lhe esfaqueando, pronto, ela responderia pelo excesso e seria condenada.

Leia também:  Senador avalia de forma positiva privatização do aeroporto de Rondonópolis

No anteprojeto de lei, em situações como essa ela estaria protegida pelo elemento na legítima defesa do medo escusável, surpresa ou violenta emoção.

Agora vamos a permissão para matar propriamente dita, sim, a polícia terá permissão expressa para matar, que é uma coisa que o pessoal de segurança pública queria faz tempo.

Ex: Se um policial em uma posição privilegiada, alveja pelas costas uma pessoa que esta portando um fuzil, e é filmado, o juiz teria que fazer um esforço enorme para não condená-lo, e ainda precisaria contar com a ajuda do Ministério Público e do próprio advogado para que esse policial não fosse processado e condenado por homicídio.

O anteprojeto reescreve o artigo 25 do código penal nos seguintes termos:

“Art.25………………………………………………………………………………………………………

Parágrafo único. Observados os requisitos do caput, considera-se em legítima defesa:

I – O agente policial ou de segurança pública que, em conflito armado ou em risco iminente de conflito armado, previne injusta e iminente agressão a direito seu ou de outrem; e

II – o agente policial ou de segurança pública que previne agressão ou risco de agressão a vítima mantida refém durante a prática de crimes.”

Ainda diz mais, que quando o delegado, entender que o homicídio foi feito em legítima defesa seja de sí, ou de terceiro, poderá deixar de prender a pessoa, desde que ela se comprometa a comparecer a todos os atos do processo.

Ainda há no projeto um endurecimento ao cumprimento das penas, e uma maior dificuldade na progressão do regime, que é quando a pessoa pode deixar de ficar o tempo todo preso.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.