10 de fevereiro de 2021
Mais
    Capa Notícias Mundo Atentados na Tunísia têm como alvo forças de segurança
    MUNDO

    Atentados na Tunísia têm como alvo forças de segurança

    Dois atentados abalaram hoje (27) a capital da Tunísia, Tunes. Uma pessoa morreu e várias ficaram feridas, de acordo com o primeiro balanço. O alvo foram as forças de segurança, em diferentes locais da cidade. A autoria dos atentados ainda não foi reivindicada e não há suspeitos.

    O primeiro homem-bomba acionou o dispositivo que levava, próximo a uma patrulha da polícia na Rua Charles de Gaulle, no centro da capital. Um policial morreu e pelo menos mais quatro pessoas ficaram feridas – um policial e três civis, informou o Ministério do Interior tunisiano.

    Cerca de uma hora depois, outro homem-bomba explodiu no bairro de al-Qarjani, ferindo quatro pessoas. As áreas dos atentados foram isoladas pelas forças de segurança, sob pesada vigilância.

    O governo da Tunísia tem enfrentado grupos militantes na fronteira com a Argélia desde a revolta da Primavera Árabe de 2011, que derrubou o líder autocrático Zine Abidine Ben Ali. A elevada taxa de desemprego tem provocado também agitação social.

    Ataques

    O ano de 2015 ficou marcado por uma onda de atentados que visaram especialmente pontos turísticos, incluindo um museu na capital e uma praia em Sousse, deixando vários mortos.

    Um ataque atingiu a guarda presidencial em Tunes, matando 12 pessoas. O grupo islamita Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade, e o governo tunisiano decretou estado de emergência em novembro desse ano.

    Apesar de a segurança ter melhorado desde então, os atentados afetaram especialmente no turismo, agravando a crise econômica que o país atravessa.

    Em outubro passado, a relativa calma de anos recentes foi interrompida quando uma mulher acionou um explosivo no centro de Tunes, ferindo 15 pessoas, entre elas 10 policiais.

    O início de 2018 foi marcado por manifestações e protestos violentos contra a austeridade, que abalaram Tunes durante três dias, em janeiro. Mais de 200 pessoas foram detidas.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS