O Governo de Mato Grosso irá decidir em 30 dias os próximos passos e o destino do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). O Estado considerou correta a decisão da Turma de Câmaras Cíveis Reunidas de Direito Público Coletivo do Tribunal de Justiça, que manteve a rescisão do contrato do Estado com o Consórcio VLT.

Em setembro de 2017, a gestão do então governador Pedro Taques (PSDB) instaurou um processo administrativo com o objetivo de rescindir, unilateralmente, o contrato.

O contrato entre as empresas e o Estado, no entanto, já estava suspenso desde fevereiro de 2015, por determinação da Justiça Federal.

HISTÓRICO

Com início em 2012, as obras do VLT tinham a previsão de conclusão em março de 2014, poucos meses antes do início da Copa do Mundo de 2014.

O Consórcio VLT, responsável pelo contrato, paralisou os serviços em dezembro de 2014, sob a alegação de que não teria recebido os recursos correspondentes ao que havia realizado.

Apenas 6 km dos 22 km de trilhos foram concluídos. Enquanto isso 42 vagões estão se deteriorando no Centro de Controle Operacional em Várzea Grande.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.