20 de abril de 2021
Mais
    Capa Destaques Após notificação do Estado, Cuiabá admite falta de cirurgião pediátrico
    HOSPITAL REFERÊNCIA À COVID

    Após notificação do Estado, Cuiabá admite falta de cirurgião pediátrico

    Médico responsável pela unidade contraiu o vírus e novo profissional ainda será contratado

    Imagem: Hospital referencia covid Após notificação do Estado, Cuiabá admite falta de cirurgião pediátrico
    Hospital Referência à Covid, que funciona no antigo Pronto Socorro – Foto: Assessoria

    A prefeitura de Cuiabá-MT confirmou em uma nota divulgada nesta quinta-feira (25), a falta de cirurgião pediátrico no antigo Pronto Socorro que, atualmente, funciona como Hospital Referência à Covid-19.

    A manifestação ocorreu após uma notificação emitida pela Secretaria de Estado de Saúde, comunicando o bloqueio de 38 leitos de Terapia Intensiva para o tratamento da Covid-19 na unidade.

    Conforme o relatório da supervisão, o bloqueio se deu por falta de medicamentos e falta de médico cirurgião pediátrico.

    Segundo o Município de Cuiabá, há um processo de contratação de cirurgião em andamento, uma vez que, o profissional responsável pela unidade contraiu o vírus e está internado desde o último dia 20.

    “O segundo médico que presta serviço na UTI pediátrica não tem condições de atender no plantão do colega por também trabalhar em outra unidade”, diz trecho da nota.

    Ainda no documento, a prefeitura de Cuiabá admitiu a falta de medicamento ocorrida no último dia 23. O problema teria sido solucionado já no dia seguinte, com a chegada de novos produtos.

    “A SMS realiza o bloqueio temporário de leitos diariamente, devido à necessidade de manutenção de equipamentos. Nesta quinta-feira (25), a unidade está com sete dos 80 leitos de UTI Adulto em adequação”, afirmou a Saúde de Cuiabá.

    “A SMS informa que em nenhum momento deixou de prestar assistência médica aos pacientes que necessitaram de internação na unidade”, completou.

    Notificação

    Além de notificar o Município de Cuiabá, a Secretaria de Estado de Saúde também encaminhou documentos ao Tribunal de Contas do Estado e o Ministério Público Estadual e Federal sobre o bloqueio dos 38 leitos.

    Conforme o Governo, o bloqueio do alto número de leitos de Terapia Intensiva impacta diretamente na taxa de ocupação hospitalar das UTIs pactuadas pela rede do Sistema Único de Saúde (SUS) em Mato Grosso.

    Na quarta-feira (24), por exemplo, foi registrada a ocupação de 81,44% dos leitos para adultos, enquanto que no dia anterior o registro era de 72,85%.