08 de abril de 2021
Mais
    Capa Destaques Vacinação em Cuiabá é suspensa após novo embate entre Governo e Prefeitura
    PROFISSIONAIS DA SEGURANÇA

    Vacinação em Cuiabá é suspensa após novo embate entre Governo e Prefeitura

    Estado alega que o Município descumpriu o acordo e não entregou doses

    Imagem: Bustamante vacina Vacinação em Cuiabá é suspensa após novo embate entre Governo e Prefeitura
    Vacinação de profissionais da segurança foi suspensa – Foto: Assessoria

    A vacinação dos profissionais da Segurança Pública em Cuiabá, com previsão para ter início nesta quinta-feira (8), foi suspensa após um novo embate entre o Governo do Estado e a prefeitura da Capital.

    De um lado, o Estado alega que o Município descumpriu o acordo feito com o Governo e não entregou as doses para aplicação.

    A prefeitura, por sua vez, alega que a Secretaria de Estado de Saúde sugeriu ao Município que retirasse dessas doses uma parte destina a outro público para iniciar a vacinação dos membros das Forças Armadas e Forças de Segurança Pública.

    De acordo com o secretário de Estado de Segurança, Alexandre Bustamante, o Governo conversou com os Ministérios Públicos Estadual e Federal, com o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Mato Grosso (Cosems-MT) e todos autorizaram o uso d eparte dos imunizantes para as forças de segurança.

    “Houve um acordo entre o governo e o município de que as doses seriam entregues, já que a prefeitura é quem tem a responsabilidade de fazer a retirada na Central de Distribuição. A prefeitura capacitou os profissionais de segurança formados na área da saúde para fazer a aplicação”, disse o secretário.

    Ainda segundo ele, os profissionais se cadastraram no site da prefeitura para agendar a vacinação na última quarta (7).

    “Tudo foi feito e acordado para dar início hoje. Só posso dizer que esse foi o presente de Cuiabá para os profissionais da segurança no dia do aniversário da Capital”, destacou Bustamante.

    O secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, atribui a não entrega das doses pela Prefeitura de Cuiabá à questões políticas por parte do município.

    “A prefeitura, apesar de ter informado que estaria encaminhando as doses que já tinham sido acordadas durante a semana, não o fez. É claro que foi uma questão política e é lamentável, pois demonstra o valor que a Prefeitura de Cuiabá dá aos profissionais que cuidam da segurança de toda a população”, afirmou Carvalho.

    “Empréstimo” de doses

    Por meio de nota encaminhada à imprensa, a Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá (SMS) informou que não recebeu vacinas destinadas ao grupo que atua nas forças de segurança.

    Ainda seguindo o Município, as doses recebidas o último dia 5 devem ser usadas da seguinte forma: 2.575 doses de Astrazeneca, voltadas para segunda dose de trabalhadores da saúde; 19.940 doses da Coronavac, sendo 17.970 doses para segunda aplicação de trabalhadores da saúde e de idosos e 1.970 doses para primeira aplicação de idosos de 65 a 69 anos.

    “A Secretaria de Estado de Saúde sugeriu ao Município que retirasse dessas doses uma parte para iniciar a vacinação dos membros das Forças Armadas e Forças de Segurança Pública, o que foi negado, diante da responsabilização legal que pode advir disso.  Necessário informar, que neste caso, a responsabilidade pela vacinação é da Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso”, diz trecho do documento.

    Conforme a secretaria, a organização da vacinação dos membros das Forças Armadas e Forças de Segurança Pública é de responsabilidade da Secretaria de Estado de Segurança Pública.

    “A SMS informa que apenas participou oferecendo a capacitação para que os próprios servidores atuassem na vacinação, desde o registro até a aplicação das doses, no caso daqueles que têm formação na área da Saúde”, cita a nota.