21 de junho de 2021
Mais
    Capa Destaques CDL lamenta volta de restrições ao comércio em Rondonópolis
    "É TRISTE"

    CDL lamenta volta de restrições ao comércio em Rondonópolis

    Presidente da CDL de Rondonópolis, Thiago Sperança, diz que faltou conscientização e alerta que limitações às atividades econômicas podem agravar a crise

    Imagem: Thiago Speranca presidente CDL CDL lamenta volta de restrições ao comércio em Rondonópolis
    Thiago Sperança, presidente da CDL, demonstrou preocupação com o impacto das restrições – Foto: Varlei Cordova/AGORAMT

    “É sempre muito triste andarmos para trás. O sentimento é o de estarmos perdendo mais uma batalha nesta guerra. Uma derrota da saúde, da economia e, principalmente neste momento, também da cidadania”, foi o que disse o presidente da CDL de Rondonópolis, Thiago Sperança, sobre a mais recente reclassificação de Rondonópolis no quadro de risco à contaminação pela Covid-19 da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT). O município saltou de “Moderado” para “Alto” na última quarta-feira (26).

    Para Sperança, faltou conscientização. “Quando baixamos para Moderado, tivemos a oportunidade de flexibilizar e acelerar nossa retomada econômica. Mas, infelizmente, houve quem encarasse aquele momento como o fim desta pandemia. Tivemos notícias de aglomerações, eventos clandestinos e descumprimento de protocolos. Uma destas ocasiões virou até caso de polícia, com pessoas presas por estarem aglomerando”, lembra.

    “Até por isso, apoiamos e pedimos que a nossa Polícia Militar e órgãos de fiscalização e vigilância intensifiquem ainda mais os trabalhos. Dias depois destes atos irresponsáveis, a conta já chegou. Está no aumento da ocupação de leitos de hospitais e dos casos confirmados que culminaram nesta reclassificação”.

    Ainda segundo o presidente, o impacto também será econômico. “Risco Alto significa a adoção de medidas restritivas. Voltaremos à realidade de semanas atrás. Tanto as empresas e estabelecimentos que fizeram sua parte quando os irresponsáveis agora terão de pagar esta conta. Só vamos mudar de verdade este quadro quando tivermos plena consciência da gravidade dos tempos que vivemos”, finaliza.

    NOVO DECRETO
    Diante do agravamento dos casos da covid-19 em Rondonópolis, o Comitê de Gestão de Crise se reuniu nesta quinta-feira (27), no Gabinete do prefeito José Carlos do Pátio e aprovou alterações nas medidas de segurança para o combate do coronavírus em Rondonópolis, seguindo as normas estabelecidas pelo Governo do Estado. As mudanças constam no decreto de nº 4.952 publicado hoje e passa a valer a partir 00h desta sexta-feira (28).

    As alterações foram necessárias após a classificação de risco do município passar de ‘moderada’ para ‘alta’.

    No decreto, ficou definido que o toque de recolher das 21h às 5h com restrição de circulação de pessoas. O funcionamento das atividades e serviços em geral poderá ser das 5h às 20h de segunda a sábado e aos domingos das 5h às 12h, sendo vedado o funcionamento nos feriados.

    Hipermercados, atacadistas, supermercados, mercados, peixarias, hortifrutigranjeiros, quitandas, açougues, feiras livres e padarias, de segunda a domingo das 5h às 20h, com restrição de uma pessoa por família.

    Já os Restaurantes, lanchonetes, trailer de lanches, cafés, pizzarias e congêneres poderão funcionar das 5h às 20h de segunda a sábado e aos domingos das 5h às 14h, respeitando a capacidade máxima do local de 30%, sendo vedado o funcionamento aos feriados. Fica autorizado o drive thru e retirada até às 20h45 e o delivery até as 23h59. Som ao vivo nos bares, restaurantes e congêneres será permitido até às 20h.

    O estabelecimento que for autuado por não respeitar as medidas de segurança estabelecidas no decreto serão interditados pelo período de 07 dias.

    As igrejas, templos e congêneres poderão realizar os cultos e missas de segunda a domingo das 5h às 20h, respeitando a capacidade de 30%.

    O Comitê de Gestão de Crise deve se reunir novamente na próxima semana e não descarta medidas mais restritivas, caso seja necessário.